Workshop trata da complementariedade entre gêneros para inovar

Fonte Finep 03/09/2014 às 11h


O Wworkshop 'Mulheres, Empreendedorismo e Inovação', realizado pela Finep em parceria com o Mulheres Investidoras Anjo (MIA), no Rio de Janeiro, tirou todas as dúvidas sobre o espaço para as mulheres no mercado de trabalho. Executivas de sucesso de grandes empresas, como Petrobras, IBM, Samsung e GE, contaram um pouco de suas trajetórias pessoais e profissionais e debateram temas, como o crescimento do número de mulheres empreendedoras, a participação da mulher em cargos executivos e a necessidade de mesclar e combinar pessoas com pensamentos e qualidades diferentes para inovar.

A diretora de Gestão da Finep, Maria Salete Cavancanti, destacou a importância da presença da mulher nas empresas para se trabalhar com eficácia o conceito de inteligência coletiva. “O protagonismo feminino é algo deste século, deste momento. [...] Não pode existir competição, a diversidade é essencial para inovar e empreender”.

A vice-presidente de assuntos governamentais e políticas públicas da GE para a América Latina, Adriana Machado, definiu inovação como sendo “um jogo global”: “Mesclar e combinar é cada vez mais importante. Precisamos ter mais mulheres nas tomadas de decisão”. A presidente da Genzyme, Eliana Tameirão, endossou o discurso: “Na base, estamos muito equilibradas com os homens, mas quando a pirâmide vai se estreitando, os homens ainda prevalecem”.

Camila Farani começou a trabalhar aos 16 anos, virou sócia de sua própria mãe em uma loja de tabaco, se formou em direito, abriu mais dois negócios no ramo alimentício e chegou a ser diretora da rede Mundo Verde antes de embarcar no projeto do MIA – do qual é uma das fundadoras – e estar à frente da Lab22. “Não existe escola pra ser empreendedor. Nada melhor do que o dia a dia para evoluir”, disse, em sua palestra.

De acordo com Farani, antes as pessoas viravam empreendedores por necessidade. “Hoje, existem muito mais empreendedores por oportunidade, que identificam gargalos e entram no mercado para solucioná-los", sinalizou.

Maria Rita Bueno, também cofundadora do MIA, reforçou o discurso com números de pesquisa recente do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), que mostram que hoje 71% dos empreendedores empreendem por oportunidade. “A mulher brasileira é, historicamente, uma das que mais empreende no mundo. Qualquer grupo que é muito homogêneo acaba tendo ideias parecidas”.

Segundo Maria Rita, as startups necessitam de capital e experiência, possibilitadas pelo investidor anjo: “Esse investimento aumenta as chances de sucesso, acelera o crescimento, amplia as oportunidades e reduz os riscos”. Rita destacou que empresas como Apple, Intel, Google e Facebook contaram com apoio de investidores anjo em seu início: “O número de investidoras anjo dobrou em apenas um ano. Em 2011, 12% eram mulheres e esse número saltou para 21% em 2012”.

Também participaram do workshop a Manzar Feres, managing director da IBM, Anelise Lara, gerente-executiva para a área de Libra da Petrobras, e Vera Bier, diretora de Tecnologias Avançadas da Samsung. Sandra Boccia, diretora de redação da Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios, foi a mediadora dos debates.


Finep
Fonte Finep 03/09/2014 ás 11h

Compartilhe

Workshop trata da complementariedade entre gêneros para inovar