Uribe critica Farc após ser responsabilizado por morte de governador

Fonte ANSA. 06/01/2010 às 18h

O presidente colombiano voltou a atacar o grupo guerrilheiro, que assumiu a autoria do assassinato do governador de Caquetá, mas atribuiu o desfecho do caso à postura do governo

BOGOTÁ, 6 JAN (ANSA) - O presidente colombiano, Álvaro Uribe, chamou hoje os membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) de "mentirosos" e "assassinos" após a divulgação de um comunicado no qual o grupo responsabilizou o mandatário pela morte do governador de Caquetá, Luis Francisco Cuéllar.

"Este grupo narcoterrorista das Farc é assassino e mentiroso. Derrama sangue e, em seguida, escreve comunicados doutorais. Derrama sangue e mente", afirmou o mandatário a uma rádio local.

No comunicado, publicado na noite de ontem pela Agência de Notícias Nova Colômbia (Anncol), uma frente das Farc assumiu a autoria do assassinato, mas culpou Uribe pelo desfecho do caso, já que o presidente havia ordenado à polícia e às Forças Armadas que resgatassem o político, que fora sequestrado.

No dia 21 de dezembro, um grupo de homens armados invadiu a casa de Cuéllar, situada em Florencia, capital de Caquetá, e o rendeu. Um segurança foi morto na ação.

Segundo versões oficiais, os guerrilheiros teriam em seguida degolado o governador e colocado explosivos ao redor de seu corpo para dificultar o resgate após perceberem a presença de militares.

No texto veiculado pela Anncol, as Farc disseram que Cuéllar era "corrupto", razão pela qual seria submetido a um "julgamento político".

Uribe também criticou seus compatriotas que vivem na Europa e "servem de cúmplices a esses criminosos" por escreverem os comunicados das Farc. A declaração foi feita em referência à Anncol, que costuma divulgar os textos da guerrilha e teria sede em Estocolmo, na Suécia.

Em outro comunicado publicado anteriormente pela agência, Cuéllar havia sido acusado de manter vínculos com grupos paramilitares.

ANSA.
Fonte ANSA. 06/01/2010 ás 18h

Compartilhe

Uribe critica Farc após ser responsabilizado por morte de governador