Torcedora do Grêmio admite xingamento e nega racismo

Fonte ANSA 04/09/2014 às 20h

Patrícia Moreira chamou o jogador Aranha, do Santos, de macaco

04 Setembro, 17:37•SÃO PAULO•ZSG

(ANSA) - Em depoimento, Patrícia Moreira, torcedora do Grêmio acusada de racismo por chamar o goleiro do Santos, Aranha, de macaco, disse não ter tido objetivo de ofendê-lo. O delegado Cléber Ferreira explicou, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, que ela não negou ter chamado o jogador de macaco, mas disse que sua intenção não era ofendê-lo e que foi "com o embalo da torcida".

Ela compareceu à Polícia Civil em Porto Alegre ao lado do irmão e do advogado.

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), por meio da 3ª Comissão Disciplinar, decidiu nesta quarta-feira (3) excluir o Grêmio da Copa do Brasil por causa do crime de racismo, ocorrido no dia 28 de agosto, em partida contra o Santos, quando o goleiro Aranha foi xingado por torcedores e chamado de macaco. O time gaúcho também foi multado em R$ 50 mil. A decisão foi unânime, por quatro votos.

Embora a defesa do Grêmio tenha pedido a absolvição do clube, alegando que os envolvidos no caso de racismo eram cinco pessoas, dentro de uma torcida de 30 mil pagantes, os integrantes do STJD entenderam que a pena tem caráter pedagógico contra atitudes de racismo. Para o presidente da 3ª Comissão Disciplinar, Fabrício Dazi, a decisão mostra para os clubes que eles precisam ser responsáveis por suas torcidas e também demonstra ao mundo que o Brasil não é complacente com o racismo em campo. Com informações da Agência Brasil. (ANSA)
ANSA
Fonte ANSA 04/09/2014 ás 20h

Compartilhe

Torcedora do Grêmio admite xingamento e nega racismo