Terremoto no Haiti foi o mais forte em 200 anos e centenas de pessoas podem ter morrido

Fonte Agência Brasil. 13/01/2010 às 9h

Funcionários de agências humanitárias calculam que centenas de pessoas podem ter morrido em consequência do terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu o sul da capital do Haiti, Porto Príncipe, na tarde de ontem (12). Esse foi o mais forte tremor registrado no o país nos últimos 200 anos. As informações são da BBC Brasil.

Em cerca de um minuto, o terremoto destruiu o palácio presidencial e várias outras edificações na capital. Veículos que tentam levar os feridos aos hospitais encontram dificuldades para se locomover nas ruas tomadas pelos escombros.

O funcionário da organização não governamental Food for the Poor, Rachmani Domersant, relatou que toda a cidade de Porto Príncipe estava às escuras após o anoitecer.

De acordo com o embaixador do Haiti nos Estados Unidos, Raymond Joseph, as sedes da Receita Federal, do Ministério do Comércio e do Ministério das Relações Exteriores sofreram danos provocados pelo tremor, mas o aeroporto da capital permaneceu intacto.

O secretário da Organização das Nações Unidas (ONU) para Operações de Paz, Alain Le Roy, afirmou que a sede da organização no Haiti foi gravemente afetada e que diversos funcionários estão desaparecidos.

A sede do Banco Mundial também foi destruída e alguns funcionários da instituição estão desaparecidos. O órgão anunciou o envio de uma equipe ao Haiti para avaliar os danos e ajudar a montar um plano de recuperação.

A agência geológica americana US Geological Survey informou que o terremoto ocorreu por volta das 16h53 no horário local (19h53 de Brasília). O epicentro do tremor foi localizado a cerca de 15 quilômetros de Porto Príncipe, a apenas 10 quilômetros de profundidade. Pelo menos dois tremores secundários – de 5,9 e 5,5 graus, respectivamente, foram registrados logo após o primeiro terremoto.
 

Agência Brasil.
Fonte Agência Brasil. 13/01/2010 ás 9h

Compartilhe

Terremoto no Haiti foi o mais forte em 200 anos e centenas de pessoas podem ter morrido