Secretário Afonso Barbosa visita Estádio São Januário com índios do Alto Xingu (MT)

Fonte Ascom – Ministério do Esporte 05/06/2012 às 20h

Secretário Afonso Barbosa visita Estádio São Januário com índios do Alto Xingu (MT)

Cerca de 20 índios do Alto Xingu, responsáveis pela construção das ocas da Aldeia Kari-Oca, na cidade do Rio de Janeiro, vivenciaram a oportunidade de troca de experiência que o esporte é capaz de promover. Acompanhados pelo secretário nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social, Afonso Barbosa, e pelo presidente do Comitê Intertribal, Marcos Terena, eles conheceram o Estádio São Januário. Os visitantes foram recepcionados pelo presidente do Clube de Regatas Vasco da Gama, Roberto Dinamite. Durante a visita, o dirigente presenteou os visitantes com camisas do time autografadas.

O encontro foi após o treino do elenco profissional, na manhã da última sexta-feira (1º.06). Na sala de troféus, o grupo conferiu, por meio de fotografias e autógrafos, os vários títulos conquistados pelo Vasco da Gama ao longo de mais um século de existência. Mas foi no centro das competições, no campo de futebol, que os índios se animaram e fizeram uma dança como forma de agradecer a recepção. Todos foram convidados a assistir ao jogo contra o Náutico, nesta quarta-feira (06.06), no Gigante da Colina, com entrada gratuita.

Os índios são do Mato Grosso e vieram à Cidade Maravilhosa para montar as ocas da Aldeia Karí-Oca, na Colônia Juliano Moreira, Campus da Fiocruz Mata Atlântica, em Jacarepaguá, na zona oeste da cidade. O local será ponto de referência da participação indígena durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

O secretário de Conservação e Serviços Públicos (e ex-coordenador da candidatura da Rio 2016), Carlos Roberto Ozório, um dos organizadores municipais do encontro, ficou feliz por saber que, no local onde vivem esses índios, a concentração de cruz-maltinos é grande. Os indígenas presentearam Dinamite com colares e pulseiras, confeccionadas a mão, nas cores do clube.

Vasco da Gama
Fundado em 21 de agosto de 1898 por um grupo de remadores que, inspirados nas celebrações do quarto centenário da descoberta do caminho marítimo para as Índias, ocorrida em 1948, batizaram a nova agremiação com o nome do heroico potuguês que alcançara tal feito, o navegador Vasco da Gama.
O Vasco teve a ideia de ser um clube mais democrático, usando o preto, o branco e o vermelho na cruz. São cores que se encaixam no sentido de uma comunhão de etnias (já que o clube lutou contra preconceitos raciais e sociais nos anos 1920). É muito forte o aspecto religioso da cruz, porque a Ordem Militar de Cristo era, ao mesmo tempo, religiosa e guerreira.

Jogos Verdes
No período em que indígenas do Brasil e do exterior reúnem-se na Rio+20 – de 12 a 22 de junho - discutindo temas relativos a meio ambiente e sustentabilidade, as nações brasileiras representadas por cerca de 400 índios de 20 etnias estarão mostrando ao mundo os Jogos Verdes. Trata-se de uma versão reduzida dos Jogos dos Povos Indígenas, desenvolvidos com recursos do Ministério do Esporte. No evento serão mostrados os esportes tradicionais das aldeias, as atividades culturais diferenciadas realizadas pelas etnias presentes e o artesanato utilitário produzida por cada comunidade.


Ascom – Ministério do Esporte
Fonte Ascom – Ministério do Esporte 05/06/2012 ás 20h

Compartilhe

Secretário Afonso Barbosa visita Estádio São Januário com índios do Alto Xingu (MT)