Presidente do Supremo uruguaio defende descriminalização do aborto

Fonte Ansa Flash. 02/02/2010 às 16h

O novo presidente da Suprema Corte de Justiça do Uruguai, Jorge Chediak, disse hoje ser favorável à descriminalização do aborto e da legalização do consumo de maconha "em certos casos".

Chediak, que assumiu o cargo ontem, explicou, no entanto, que se trata de uma "posição estritamente pessoal", expressada por ele "como cidadão, e não como juiz".

"Em determinadas circunstâncias, o aborto consentido dentro das primeiras 12 semanas [de gestação] deveria ser legalizado", argumentou o magistrado, em entrevista concedida ao jornal Ultimas Noticias.

Em 2008, o Congresso uruguaio aprovou um projeto de lei para descriminalizar o aborto nas primeiras 12 semanas de gestação em determinados casos. A medida, contudo, foi vetada pelo presidente Tabaré Vázquez, que é médico oncologista.

Para Chediak, porém, o tema deve voltar a ser estudado, pois suscitou "opiniões acadêmicas muito firmes".

Na entrevista, ele também defendeu a legalização do consumo de maconha, mas esclareceu que isto não significa que "seja a favor do uso de drogas".

"Há uma experiência internacional favorável para que uma droga muito específica, como a maconha, possa ser objeto de legalização em determinadas condições", ponderou o presidente da Suprema Corte.

Sobre sua atuação como titular da instância máxima da justiça, Chediak disse que pretende trabalhar por um Poder Judiciário "do século XXI", e assegurou que o país tem um dos "três melhores Judiciários da América Ibérica, ao lado de Chile e Costa Rica".

Ansa Flash.
Fonte Ansa Flash. 02/02/2010 ás 16h

Compartilhe

Presidente do Supremo uruguaio defende descriminalização do aborto