Presidente da Itália volta a condenar agressão a Silvio Berlusconi

Fonte Ansa Flash 21/12/2009 às 17h

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, voltou hoje a falar da agressão sofrida pelo primeiro-ministro Silvio Berlusconi, que no dia 13 foi atingido no rosto por uma estatueta de ferro lançada por Massimo Tartaglia, um homem de 42 anos que tem problemas mentais.

"Encontramo-nos hoje a uma breve distância de tempo da brutal agressão ao presidente do Conselho [de Ministros], ao qual renovo a minha solidariedade pessoal e institucional e os melhores votos para um rápido restabelecimento", afirmou Napolitano, durante um discurso a magistrados.

O chefe de Estado classificou a agressão como "um fato grave, de enorme e imprudente violência".

Berlusconi foi agredido quando se preparava para deixar um comício de seu partido, o Povo da Liberdade (PDL), em Milão. Tartaglia, que está preso, usou uma réplica em miniatura do Duomo (catedral) da cidade para atacar o premier, que fraturou o nariz e teve dois dentes quebrados.

Berlusconi foi imediatamente levado ao hospital, onde permaneceu por quatro dias. Agora, repousa em sua residência situada nas proximidades de Milão. Os médicos recomendaram a ele um período de descanso de 15 dias.

No dia da agressão, ao se pronunciar, Napolitano pediu que os conflitos políticos e institucionais no país fossem conduzidos "dentro dos limites do responsável autocontrole, prevendo e reprimindo cada impulso e espiral de violência".

Hoje, o presidente retomou suas palavras anteriores sobre a "dramatização das tensões entre partidos e instituições" e indicou que o apelo foi ditado pelo dever de prevenir todas as degenerações que levem a um clima de violência.

"Estamos atentos para não dilacerar aquele fundo de tecido unitário que se mostra vital e é condição essencial para enfrentar os desafios e os riscos do nosso tempo, para afrontar as fraquezas e as doenças mais graves da nossa sociedade", acrescentou. 

Ansa Flash
Fonte Ansa Flash 21/12/2009 ás 17h

Compartilhe

Presidente da Itália volta a condenar agressão a Silvio Berlusconi