Nova edição do Boletim destaca estudo que identifica precariedade da assistência à saúde em unidades prisionais

Fonte UFMG 25/08/2014 às 10h
Estruturas precárias e inadequadas, recursos humanos insuficientes e oferta limitada de serviços caracterizam o perfil da assistência à saúde da população carcerária de Minas Gerais, segundo estudo desenvolvido em 15 unidades prisionais do estado. O levantamento resultou em tese de doutorado defendida no Centro de Pós-graduação e Pesquisas em Administração (Cepead) da Faculdade de Ciências Econômicas.

O assunto é o destaque da edição 1873 do Boletim UFMG, que circula a partir desta segunda-feira nas unidades da UFMG. Confira o conteúdo da versão digital.

Reportagens

Reforço para a extensão
UFMG amplia recursos para o fomento de bolsas alocadas em programas e projetos da área.

Diálogo em torno da informação
Livro de professor da ECI reúne argumentos para propor que arquivologia, museologia e biblioteconomia enfrentem desafios de forma conjunta.

Obstáculo à ressocialização
Tese revela deficiências na oferta de serviços de saúde no sistema prisional mineiro.

Do que morrem os jovens mineiros
Pesquisa da Enfermagem elabora perfil das causas de óbito de crianças e adolescentes no estado.

Ritmos e timbres ditados pela percussão
Festival realizado por grupo da UFMG traz músicos do Brasil e do exterior para apresentações e workshops.

Acontece
Mostra das Profissões, que será realizada em setembro no campus Pampulha, continua recebendo inscrições para visitas individuais.

Opinião

A escada até a medalha
O editor Cássio Leite Vieira, da revista Ciência Hoje, revê o caminho que a ciência brasileira percorreu até a conquista da Medalha Fields pelo matemático Artur Ávila.
UFMG
Fonte UFMG 25/08/2014 ás 10h

Compartilhe

Nova edição do Boletim destaca estudo que identifica precariedade da assistência à saúde em unidades prisionais