No mês da fotografia, vale a pena conhecer os incentivos para essa arte e sua preservação

Fonte Ministério da Cultura 30/08/2014 às 10h

No mês da fotografia, vale a pena conhecer os incentivos para essa arte e sua preservação

"Fotografar é colocar, na mesma linha, a cabeça, o olho e o coração", afirmou o fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson. Considerado o pai do fotojornalismo, influenciou gerações de fotógrafos e ajudou a desenvolver diversas técnicas de fotografia. Como ele, muitos fizeram da paixão pela fotografia sua profissão. E, para os amantes dessa arte, também há incentivos do governo.

O prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia, já na sua 14 edição, é um deles. Na edição deste ano, buscou selecionar 18 projetos, com prêmios no valor de R$ 53 mil para cada um dos contemplados. Para isso, os projetos no campo da fotografia deveriam considerar as novas linguagens e suas diversidades, contemplar temas relevantes da sociedade, nova produção fotográfica, o diálogo com a educação e permitir a acessibilidade aos equipamentos e bens culturais, entre outros.

Cristiano Franco Burmester, diretor-presidente da Associação Brasileira de Fotógrafos (Abrafoto) se interessou pela arte desde adolescente e, desde então, não largou mais a paixão. "Fotografia para mim é uma forma de expressão, é meu trablaho, é como lido com o mundo", conta. "O governo, quando incentiva tem que contemplar a renovação da linguagem e da criação, além de criar ambiente positivo para fotógrafo, ofercer cursos de formação. O premio do Marc Ferrez faz isso", completa.

Burmester, admirador de Cartier-Bresson e Sebastião Salgado, fala ainda sobre a importância da formação de fotógrafos. "Um bom fotógrafo tem que ter uma boa formação artística na história da arte, na linguagem da comunicação, na formação técnica, nos conceitos ", avalia. "O fotógrafo também pode ter um talento, um olhar construído ao longo da vida", completa.

Preservação

Nessa área de formação, além das oficinas gratuitas que a fundação oferece periodicamente, há o Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da Funarte (CCPF), localizado no Rio de Janeiro (RJ).

Pioneiro na América do Sul, o centro tornou-se referência internacional em conservação fotográfica. Um dos diferenciais da instituição é que ela não conta com acervo próprio de imagens. O objetivo principal é trabalhar com parcerias, para recuperar coleções de instituições públicas e privadas ou de clientes particulares.

Ao longo de mais de duas décadas de atividade, também se transformou em um pólo de criação e intercâmbio de novas tecnologias e métodos de preservação. O principal objetivo do centro é estabelecer diretrizes, métodos e sistemas para a preservação de acervos fotográficos brasileiros. Para isso, dispõe de pesquisas, desenvolve projetos, difunde informações técnicas. Instituições como o Iphan, Biblioteca Nacional, Museu Imperial e Museu Villa Lobos estão entre as centenas de beneficiadas pelo centro.

"Ele foi criado na década de 1980, como parte da Programa Nacional de Preservação e Pesquisa da Fotografia do então Instituto Nacional da Fotografia, INFOTO, da Funarte. Ao longo de três décadas, implantou e consolidou a área no país como centro de referência para instituições detentoras de acervos fotográficos, estudantes e profissionais, e público em geral", conta Sandra Baruki, Conservadora de Fotografia e Coordenadora do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da Funarte.

Além disso, o local oferece cursos. Os temas são relacionados tanto à produção histórica, dos acervos tradicionais com negativos e fotografias, como à produção contemporânea com preservação digital. "Em setembro, realizaremos em parceria com o Museu Théo Brandão da Universidade Federal de Alagoas o curso "Uso Criativo de Acervos Fotográficos" a ser ministrado pelo pesquisador, fotógrafo e escritor Pedro Vasquez, em Maceió; em outubro e novembro, oficinas sobre Boas Práticas da Fotografia Digital da Captura ao Arquivamento, Impressão e Preservação Digital, com os professores Marcos Issa e Millard Schisler, em Recife e Porto Alegre", adianta Baruki.


Ministério da Cultura
Fonte Ministério da Cultura 30/08/2014 ás 10h

Compartilhe

No mês da fotografia, vale a pena conhecer os incentivos para essa arte e sua preservação