Não há como realizar investimentos sem restos a pagar, dizem ministros

Fonte Agência Brasil. 04/02/2010 às 14h

Os ministros Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil da Presidência da República, e Paulo Bernardo, do Planejamento, afirmaram hoje (4) que não há qualquer problema na existência de um alto índice de restos a pagar relativos às obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A ministra, no entanto, defendeu maior diferenciação entre forma de investimento e forma de custeio das obras.

Quando não se consegue desprender todo o valor do recurso de um ano, usa-se resto a pagar. “Neste ano, o custeio foi menor do que os restos a pagar. Seria interessante que o orçamento de investimento tivesse outra forma de percepção para mostrar a forma como o investimento tem sido realizado”, afirmou Dilma.

A ministra disse acreditar que, futuramente, haverá uma forma de execução de investimentos diferente da forma de custeio, uma vez que é impossível realizar investimentos sem restos a pagar. "Quanto mais a obra avança, mais tem restos a pagar”, ressaltou.

Segundo Paulo Bernardo, muitas vezes, os restos a pagar são vistos sob um “viés político”, que acaba dando uma carga negativa indevida a ele. “Esta é uma forma legal de executar gastos públicos, e não há qualquer problema em ter restos a pagar porque [em geral] os investimentos levam mais de um ano para serem feitos”, disse.


 

Agência Brasil.
Fonte Agência Brasil. 04/02/2010 ás 14h

Compartilhe

Não há como realizar investimentos sem restos a pagar, dizem ministros