GFT prepara plataforma para bancos atuarem com web 2.0

Fonte IMAGE Comunicação 14/01/2010 às 9h

A facilidade de compra pela Internet, assim como a interatividade que a rede mundial de computadores trouxe, é um caminho sem volta em relação aos costumes dos usuários da Web. A facilidade do acesso online e as mudanças de culturais promovidas pela “geração Y”, que cada vez mais dita as regras sobre a evolução da rede, forçam alguns segmentos a entrarem na “nova internet” para manterem a fidelidade de seus clientes, como é o caso dos bancos varejistas, que vivem atualmente um cenário muito competitivo.

De olho neste movimento, a GFT, empresa internacional de TI especializada no setor financeiro, apresenta no Brasil sua proposta de plataforma para atender projetos de introdução à Web 2.0 no sistema bancário. Como primeiro passo, a desenvolvedora orienta que as instituições determinem as oportunidades da nova rede para a organização.

Para isso, é necessário partir de duas principais premissas: a primeira é uma visão geral do que a nova tecnologia da Internet pode trazer à instituição financeira e a segunda é uma compreensão profunda dos processos e sistemas existentes para suportar esta estratégia. Estas definições serão as bases para transformar os procedimentos em atividades realmente sustentáveis, que trarão valor a partir da adoção deste modelo de negócio.

A plataforma para Web 2.0 desenvolvida pela GFT envolve desde a manutenção dos elevados requisitos de segurança, até o apoio para que a flexibilidade e as funcionalidades desta nova arquitetura não sejam prejudicadas pelo alto controle que essas instituições necessitam.

“Trabalhando em conjunto com o cliente, podemos guiar o processo para alcançar esta evolução, além de suportar a demanda quanto à capacidade técnica, ajudando-o na obtenção dos benefícios com a adoção da interatividade”, ressalta Carlos Eres, diretor geral da GFT do Sul da Europa e Américas. Se o objetivo é fortalecer os laços entre os clientes e os serviços oferecidos pelos bancos, a integração é o tema principal da Web 2.0.

“A disponibilidade de uma ferramenta de busca, como a do Google, na página inicial da instituição financeira, assim como uma área de chat, que permita aos bancos aprender e reagir rapidamente às demandas dos clientes, quando for necessário, é uma postura ativa na comunicação e uma maneira excelente de interagir e se antecipar às exigências deste novo consumidor, transformando a relação num serviço rentável para a companhia”, conclui Eres.

IMAGE Comunicação
Fonte IMAGE Comunicação 14/01/2010 ás 9h

Compartilhe

GFT prepara plataforma para bancos atuarem com web 2.0