Expo 2015 quer reunir obras-primas italianas em Milão

Fonte ANSA 01/09/2014 às 20h
A "Vênus" de Boticelli é um dos trabalhos esperados para a feira.

01 Setembro, 19:42•MILÃO•ZLR

(ANSA) - A Expo Milão 2015 será focada em comida, mas na semana passada o foco estava em trazer obras-primas da arte italiana para a feira universal.

O crítico de arte e embaixador cultural da região da Lombardia, Vittorio Sgarbi, revelou na semana passada que ele está tentando trazer obras de arte de toda a Itália para Milão, incluindo "O Nascimento da Vênus" de Sandro Boticelli (1486) e as duas estátuas que compõem os "Bronzes de Riace" (420 - 460 BC). Os preciosos trabalhos estão guardados cuidadosamente em seus respectivos museus , a Galleria degli Uffizi em Florença e o Museo Nazionale della Magna Grecia em Reggio Calabria.

Uma das obras de maior importância para a Expo já teve seu pedido de empréstimo recusado. A tela do século XVI "O Jardineiro", de Giuseppe Arcimbolo, serviu de inspiração para a criação do mascote da feira, o Foody. O trabalho não participará da Expo devido ao veto da cidade de Cremona.

"Pensar que a Expo é uma bobagem da qual todos tiram vantagem é uma mentalidade doentia. Por que Arcimbolo? Quem vai se interessar por essa figura se ela estiver mantida em Cremona?", perguntou Sgarbi.

"Acreditar que quem vem da Austrália para a Expo vai depois até Cremona ou Reggio Calabria para ver um único trabalho é loucura.

Se você me perguntar, as cidades que se beneficiarão do evento, além de Milão e Roma, são Veneza, Florença e Turim", completou Sgarbi.

As intenções de Sgarbi para a Vênus de Boticelli não são a de trazê-la de Florença para Milão e sim instalá-la no Reggia di Venaria Reale - um museu localizado em um palácio de caça da dinastia dos Savoia -, perto de Turim.

O projeto ainda está amadurecendo, mas Sgarbi espera persuadir a Galleria degli Uffizi para conceder a peça de arte pelo menos pelo período de maio a dezembro do próximo ano.

"É claro que Florença não precisa da Expo como mostruário como Reggio Calábria ou Cremona, mas eu acredito que um apoio financeiro pode ser bom para o Uffizi", disse Sgarbi, que deu a entender uma quantia entre 600 mil e 800 mil euros. Se o quadro "O Nascimento da Vênus" de Boticelli será movido de Florença é decisão do ministro da cultura.

Mover obras de are famosas pode ser o equivalemte a uma caixa de Pandora, como o que aconteceu em 2007 em um empréstimo a Tóquio da "Anunciação" de Leonardo. Por causa desse evento, o ministro da cultura criou uma lista de obras que não podem ser transferidas para outras localidades, incluindo "O Nascimento da Vênus".

Entretanto, o ministro italiano da Cultura e do Turismo, Dario Franceschini, não vetou de imediato a ideia de Sgabi. "Se houver pedidos formais, somente estes serão examinados, com toda a nossa habilidade e com todo o rigor necessário. O resto é apenas debate de verão", disse Franceschini à ANSA.

Em relação ao que Sgarbi disse sobre Cremona e o quadro "O Jardineiro", Franceschini ficou no lado da cidade. "A Expo não é somente Milão e sim toda a Itália. O desafio que temos pela frente é aumentar a estadia dos visitantes da Expo no país, oferecendo a eles oportunidades e meios para visitar outros museus no país", disse Franceschini.

A Expo Milão 2015 vai de maio até outubro do próximo ano e está focado em segurança alimentar, práticas sustentáveis, nutrição e também divulgar as culturas gastronômicas.

Centenas de eventos culturais estão sendo organizados nas redondezas de Milão para coincidir com a Expo - incluindo grandes exposições de arte, concertos e performances - que os organizadores esperam atrair 20 milhões de visitantes para a feira universal. (ANSA)
ANSA
Fonte ANSA 01/09/2014 ás 20h

Compartilhe

Expo 2015 quer reunir obras-primas italianas em Milão