Conheça as mudanças que a cirurgia plástica ainda não realiza

Fonte Assessoria de Imprensa/MMatsuo 31/08/2014 às 12h
Distância entre os olhos e largura dos ombros são algumas das características que não podem ser modificadas por meio da medicina. Apesar disso, a área tem avançado na aplicação de técnicas nos procedimentos estéticos e reconstrutores.


Mesmo com os avanços constantes da Medicina, existem alguns aspectos do corpo humano que a cirurgia plástica ainda não consegue modificar. Aumentar ou diminuir a distância entre os olhos, por exemplo, não é uma mudança estética que pode ser proporcionada por um cirurgião. A intervenção no local somente é possível, para corrigir lesões faciais, como a quebra de um osso. “Para mudar de alguma forma o aspecto do local é possível levantar o canto do olho com a Blefaroplastia, mas não há como modificar a posição dos olhos”, expõe Tiago André Ribeiro, médico cirurgião plástico.

Da mesma forma, a largura, posição ou volume dos ombros não pode ser alterada por meio de um procedimento cirúrgico. O que passa por avaliação do cirurgião, neste caso, é alguma assimetria em outra parte do corpo, como nas mamas. “Se uma mama é maior do que a outra e corrigimos essa assimetria, a aparência do conjunto corporal pode ser melhorada”, revela.

Alguns procedimentos procurados pelos homens, como o aumento com próteses de silicone ou injeção de substâncias, também não são indicados. “O procedimento pode ser realizado, mas o resultado também pode ser obtido por meio da musculação orientada por um profissional, o que evitaria complicações pós-cirúrgicas e cicatrizes, por exemplo”, opina.

Avanços de técnicas

Conforme Ribeiro, o avanço dos procedimentos estéticos e reconstrutores permite que aproximadamente 90% do corpo seja modificado, devido a mudança nas técnicas e táticas dos procedimentos. “A base da forma de fazer em si não muda, o que se avança são as alternativas de técnicas para realização de cirurgias”, opina o cirurgião.

Dentre as alternativas encontradas pelos estudos, um exemplo é o preenchimento para os sulcos da mão. Há alguns anos, segundo Ribeiro, era impensado reconstruir o dorso da mão, mas atualmente a região pode ser preenchida com a injeção de gordura. “Hoje, no campo da cirurgia plástica, o que também se estuda muito é o uso das células do adipócito – uma célula tronco mais fácil de ser coletada e presente em todo o corpo – para os procedimentos de cirurgia reparadora, já que ela tem uma grande capacidade de regeneração”, finaliza.


Sobre Tiago André Ribeiro

Cirurgião Plástico especialista pelo Hospital Santa Marcelina, de São Paulo, Tiago André Ribeiro é graduado em Medicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Há dois anos no Oeste do Paraná, Ribeiro tem realizado procedimentos estéticos e reparadores em atendimentos particulares, por convênios e também nos plantões voltados ao Sistema Único de Saúde (SUS). Exerce as suas atividades nas cidades de: Toledo, Palotina e Marechal Cândido Rondon.

Assessoria de Imprensa/MMatsuo
Fonte Assessoria de Imprensa/MMatsuo 31/08/2014 ás 12h

Compartilhe

Conheça as mudanças que a cirurgia plástica ainda não realiza