CNPQ, desenha parceria com a indústria na busca por inovação

Fonte Ascom - CNPq 14/06/2012 às 11h
Por meio da participação em quatro Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs), conduzidos pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI), e redes de cooperação, o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP) estreita o relacionamento com a indústria e promove a inserção social de suas pesquisas.

Na maioria dos países, a maturidade do sistema de inovação está ligada ao investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e ao volume de geração de propriedade intelectual. No Brasil, a relação entre Produto Interno Bruto (PIB) e investimento em P&D é baixa, e por isso as universidades têm um papel importante na questão da inovação, pois são responsáveis por grande parte dos registros de patentes.

Entretanto, para uma melhor análise desses indicadores, é necessário compreender as relações sociais entre os segmentos envolvidos. A interação da universidade com o setor produtivo é capaz de gerar benefícios mútuos, melhorando a competitividade do país. Em outras palavras, é uma maneira de transformar o conhecimento em riqueza.

Com o assunto na agenda governamental, é possível identificar políticas públicas de fomento à relação academia-indústria, além de dispositivos de regulamentação do processo de transferência de tecnologia. Essas iniciativas ocorrem em âmbito federal, estadual e municipal, e procuram desenvolver um ambiente favorável à inovação nas empresas e universidades.

Em São Carlos (SP), onde se situa o ICMC, existe infraestrutura para empresas de base tecnológica, como incubadoras e parques. Um exemplo disso é o Instituto Inova, uma associação civil de interesse público que congrega empreendimentos de tecnologia e atua na interface entre essas empresas, universidades e instituições de fomento, por meio de atividades de consultoria e assessoria. "As universidades geram conhecimento, mas esse conhecimento dificilmente vai para as empresas. Os dois setores sempre estiveram muito afastados um do outro, e esse mecanismo de incubadora, parque tecnológico, visa a aproximar a universidade e a indústria", explica o presidente do Inova, José Octavio Armani Pascoal.

Alinhado com as políticas do governo e da universidade, o ICMC tem uma série de ações voltadas para a aproximação com a indústria. Elas consistem principalmente na formação de redes temáticas que promovem a interação entre pesquisadores de universidades, empresas, órgãos governamentais e demais segmentos da sociedade. Uma delas é a participação nos INCTs.

Os INCTs são centros de pesquisa multicêntricos que objetivam desenvolver a pesquisa e gerar patentes para o país. O programa é conduzido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) por meio do CNPq, em parceria com a Capes, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e diversas fundações de amparo a pesquisas estaduais. O ICMC coordena um dos quatro INCTs dos quais participa, envolvendo vários de seus integrantes em pesquisas desenvolvidas nesses institutos.

Participação - O ICMC participa do INCT em Sistemas Embarcados Críticos (INCT-SEC), que constitui uma rede de pesquisa na área de sistemas embarcados críticos, com um total de 347 integrantes e 21 laboratórios de instituições universitárias, além de parceiros empresariais. Essa rede apoia o desenvolvimento de soluções e aplicações para áreas estratégicas - meio ambiente, segurança, defesa nacional e agricultura -, bem como a formação de recursos humanos e a transferência tecnológica. A instituição é sediada no ICMC, sendo coordenada pelo professor José Carlos Maldonado, diretor do ICMC.

Integra também o INCT em Medicina Assistida por Computação Científica (INCT-Macc), que visa a pesquisas em computação científica e suas aplicações na medicina, em especial a modelagem e simulação computacional dos sistemas fisiológicos que integram o corpo humano. O projeto propõe implementar um ambiente de alto desempenho para medicina assistida por computação, oferecendo à comunidade médica e aos pesquisadores em geral serviços de processamento de imagens médicas, incluindo visualização e reconstrução tridimensional de estruturas fisiológicas e diagnose, além da modelagem e simulação do sistema cardiovascular e de processos de reconstrução craniofaciais.

Participa ainda do INCT para Convergência Digital (INCod), que atua em pesquisa, validação e disseminação de tecnologias de serviços, linguagens, formas de apresentação, padrões de qualidade e usuabilidade em comunicação que suportem convergência digital, por meio do desenvolvimento de tecnologias inovadoras e da formação de profissionais empreendedores. O INCod atua também em mineração de imagens médicas, extraindo delas características como formas, cores e texturas que ressaltam as propriedades principais segundo a avaliação do especialista médico.

Tem também atuação no INCT de Matemática (INCTMat), que tem por finalidade mobilizar a comunidade matemática com a proposta de promover a expansão da área no país e maior interação com a América Latina. As pesquisas são desenvolvidas sobretudo em áreas aplicadas à modelagem computacional e outras ligadas à área de exploração de petróleo. O incentivo ao ingresso na área de matemática vem de vários níveis educacionais, desde a melhoria no ensino médio e fundamental, a difusão e busca de talentos em olimpíadas nacionais, até a formação de doutores e pós-doutores, focando fixar um número expressivo de novos pesquisadores.

Apoio - Outra ação do ICMC nessa linha é a participação nos Núcleos de Apoio à Pesquisa (NAPs), que são redes interinstitucionais apoiadas pela Pró-Reitoria de Pesquisa da USP. O ICMC participa deles em parceria com outras unidades da USP, como o Instituto de Matemática e Estatística (IME) e a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC).

Com foco na relação e cooperação com a universidade, o ICMC integra os seguintes núcleos: Centro de Robótica de São Carlos (Crob-SC), coordenado por Marco Henrique Terra (EESC); Centro de Matemática e Estatística Aplicadas à Indústria (Cemeai), coordenado por José Alberto Cuminato, e NapSol - Software Livre, coordenado por Maldonado.

Para o diretor do ICMC, todas essas ações demonstram que a universidade vem ampliando sua missão, incorporando novos papéis e atuando mais diretamente no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional. "O ICMC, atento a essa realidade, tem se preocupado em investir recursos para que isso ocorra efetivamente por meio do avanço científico e tecnológico, ciente de que isso ocorre por meio do seu capital mais valioso, que são as pessoas", frisa Maldonado. (Com o Jornal da USP)

Ascom - CNPq
Fonte Ascom - CNPq 14/06/2012 ás 11h

Compartilhe

CNPQ, desenha parceria com a indústria na busca por inovação