Brasil não apresentará texto alternativo, mesmo sem documento consensual

Fonte Agência Brasil 14/06/2012 às 16h

Rio de Janeiro – O secretário executivo da delegação brasileira na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, descartou hoje (14) a possibilidade de o Brasil apresentar um documento alternativo ao que está em negociação. A sugestão foi feita por alguns negociadores por causa das divergências em torno de temas essenciais, como a definição de metas conjuntas e financiamentos para o desenvolvimento sustentável.

“O Brasil não apresentará novos textos”, disse o embaixador. “O texto que existe é o que está sendo negociado. Não é o caso de apresentar novos textos. O texto que há [ainda em fase de articulação na conferência] foi aquele submetido a várias rodadas de negociações”, acrescentou. “[Mas é] natural que busque sugerir opções e soluções.”

No segundo dia de reuniões da Rio+20, persistem divergências sobre seis aspectos considerados fundamentais para o documento final. Os aspectos sem consenso são a definição de metas comuns, a transferência de tecnologias, os financiamentos, a capacitação de pessoas para execução de programas relacionados ao desenvolvimento sustentável, a compreensão sobre o significado de economia verde e a criação de novas instituições.

Até o começo desta tarde, apenas um quarto do documento foi aprovado de forma consensual, segundo os negociadores. Mas Figueiredo Machado evitou confirmar as divergências. Ele disse que prefere mencionar os avanços e buscar um acordo global. Para ele, o Brasil deve se empenhar na busca do entendimento.

“Vamos fazer tudo o que for necessário para ajudar essa negociação e levá-la a cabo. Há, sim, uma retração forte por parte de alguns países [desenvolvidos], devido à crise interna [os impactos causados pela crise econômica internacional]”, admitiu o secretário executivo da delegação brasileira. “Mas estamos aqui para pensar [alternativas] a longo prazo.”

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 14/06/2012 ás 16h

Compartilhe

Brasil não apresentará texto alternativo, mesmo sem documento consensual