Autoridades italianas divergem sobre realização de GP de Fórmula 1 em Roma

Fonte Ansa Flash 21/12/2009 às 16h

O anúncio das negociações entre a cidade de Roma e o detentor dos direitos comerciais da Fórmula 1, Bernie Eccclestone, para que a capital italiana passe a sediar um Grande Prêmio da categoria a partir de 2012, continua gerando polêmica no país europeu.

O prefeito de Roma, Gianni Alemanno, tentou hoje minimizar as discussões ao dizer que o acordo firmado entre as duas partes "é um primeiro passo concreto e importante, mas não conclusivo". Segundo ele, "faltam algumas passagens formais que serão desenvolvidas nos próximos meses".

Alemanno também comentou as críticas feitas por autoridades de Monza, cidade que atualmente recebe a etapa italiana da Fórmula 1. O município teme a concorrência da capital, que seria mais atrativa aos turistas.

"As polêmicas que vêm do Norte [região onde fica Monza] são infundadas", explicou ele, ao lembrar que as duas corridas seriam diferentes porque a de Roma aconteceria dentro da cidade, enquanto a outra é feita em um circuito. "Não há, por isso, qualquer sobreposição, mas uma promoção comum que reforçará Monza", garantiu.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Itália, Alfredo Mantica, refutou as palavras do político ao afirmar que um GP dentro da zona urbana já não é mais aceito nem mesmo nos Emirados Árabes por causa da complexidade implicada.

"Surpreende que uma cidade como Roma e um prefeito como Alemanno tenham necessidade de Bernie Ecclestone e do capital da Fórmula 1 para relançar a imagem de um lugar que já foi até capital de um império", ironizou Mantica.

O vice-ministro declarou que o GP italiano é realizado historicamente em Monza, que possui estrutura e capacidade de receber a corrida sem paralisar o município, a província ou Milão, a segunda maior cidade do país, que fica nas proximidades.

"Lutaremos até o fim para que Monza continue [sendo] a sede do Grande Prêmio e Roma seja somente sede de um grande parque de diversões de ´carrinhos de bate-bate´", afirmou Mantica, que também é senador eleito por Monza.

O acordo para a realização da corrida na capital italiana foi anunciado neste fim de semana e teria duração de dez anos. De acordo com informações fornecidas por Alemanno, a iniciativa levaria a Roma 1 milhão de euros (R$ 2,6 milhões) por ano.

Na próxima temporada da Fórmula 1, só a Espanha será sede de duas etapas do Mundial: o GP da Espanha, em Barcelona, e o da Europa, em Valência.

Ansa Flash
Fonte Ansa Flash 21/12/2009 ás 16h

Compartilhe

Autoridades italianas divergem sobre realização de GP de Fórmula 1 em Roma