Aumento das importações e remessas de lucros explicam nova projeção para deficit, diz Lopes

Fonte Agência Brasil. 17/12/2009 às 13h

 

O aumento das projeções do Banco Central (BC) para o deficit em conta corrente é decorrente da aceleração das importações e das remessas de lucros e dividendos para o exterior e também do crescimento dos gastos de brasileiros em viagens internacionais, transportes e aluguel de equipamentos. Tudo isso foi gerado pelo aquecimento da economia em 2010, explicou hoje (17) o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes.

 

Hoje, o BC elevou a projeção para o deficit em conta corrente para este ano de US$ 18 bilhões para US$ 22 bilhões e para 2010, de US$ 29 bilhões para US$ 40 bilhões.
“Com o crescimento do investimento, sem dúvida, tende a crescer a importação de bens de capital [voltados para o investimento], primordialmente, e também de bens intermediários, para atender a demanda da economia para o ano que vem”, disse Lopes.

Segundo ele, a expectativa do aumento das remessas de lucros e dividendos também é resultado do aumento dos investimentos. “Tem um estoque de investimentos bem mais elevado. É de se esperar que as empresas emitam recursos. E, por outro lado, a economia com ritmo mais forte, vai gerar mais lucros”, explicou.

Lopes enfatizou que os resultados negativos na conta corrente serão cobertos pelo investimentos estrangeiros diretos (IED), recursos que vão para o setor produtivo no país. A projeção para este ano é de US$ 25 bilhões de IED, com entrada de US$ 4,1 bilhões em dezembro. Neste mês, até hoje, já entraram US$ 3,1 bilhões de forma disseminada em vários setores da economia, informou o diretor do BC.


De acordo com Lopes, os segmentos que mais devem atrair investimento são a metalurgia, a química, a extração de petróleo e o comércio. Para 2010, a projeção do BC é de entrada de US$ 45 bilhões de investimento estrangeiro direto.
 

Agência Brasil.
Fonte Agência Brasil. 17/12/2009 ás 13h

Compartilhe

Aumento das importações e remessas de lucros explicam nova projeção para deficit, diz Lopes