Advogado de Mubarak diz que vai recorrer de decisão

Fonte Agência Brasil 02/06/2012 às 15h

Brasília - O advogado do ex-presidente do Egito Hosni Mubarak, Yasser Bahr, disse hoje (2) que vai recorrer da condenação à prisão perpétua por causa do envolvimento do ex-líder na morte de 850 manifestantes durante os protestos de 2011. "Vamos recorrer. A decisão está cheia de falhas legais de todos os ângulos" disse Bahr.

O ex-presidente está na ala médica da prisão de Tora, próximo ao sul do Cairo, onde deve cumprir a sua sentença. Nos últimos meses, Mubarak, de 84 anos, esteve em prisão preventiva num hospital militar. Os médicos dizem que o ex-ditador está fraco e perdeu peso por se recusar a comer.

Mubarak governou o Egito por 30 anos e é considerado um ditador por parte da comunidade internacional.

Ao lado de fora do tribunal onde Mubarak estava sendo julgado, opositores de seu governo e parentes de pessoas mortas durante o levante antirregime comemoraram a condenação do ex-presidente.

Houve confrontos entre opositores, policiais e simpatizantes de Mubarak nos arredores da Corte. Muitos egípcios também se queixam que a polícia do país, à qual se atribuI a culpa por muitas das mortes na revolução, e outros pilares do regime de Mubarak mantiveram seu poder, sem que houvesse reformas institucionais profundas.

A Justiça egípcia também condenou o ex-ministro do Interior Habib Al Adly à prisão perpétua por participação na morte de manifestantes antirregime pelas forças de segurança do país.

Mubarak e seus dois filhos - Gamal e Alaa - foram inocentados de acusações de corrupção. Os dois ainda serão julgados por suposta manipulação do mercado financeiro.

Gritos e confusão eclodiram no tribunal quando o veredicto foi anunciado. Um dos motivos aparentes é a absolvição de quatro assessores de Adly, que também eram acusados de participar da repressão a manifestações.

Mubarak, por sua vez, negava ter ordenado a matança de manifestantes desarmados, nos primeiros dias da revolta que durou mais de duas semanas no Egito em 2011 e que ainda reverberam em diversas nações árabes.

O juiz do caso, Ahmed Refaat, disse que o povo sofreu com 30 anos de "escuridão" sob o governo Mubarak, mas alegou que o julgamento do ex-líder foi justo.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 02/06/2012 ás 15h

Compartilhe

Advogado de Mubarak diz que vai recorrer de decisão