Vítimas podem se cadastrar para ter acompanhamento

Fonte Agência Saúde- Ascom/MS 04/03/2013 às 20h

Formulário está disponível no Portal Saúde ou pode ser preenchido por telefone pela Ouvidoria do SUS 136

Está disponível, desde a manhã desta segunda-feira (04), o cadastro para que as pessoas que tiveram contato com os gases e inalantes liberados pela fumaça tóxica durante incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), recebam acompanhamento médico e psicossocial. O cadastro pode ser feito por meio de um link disponibilizado na página do Ministério da Saúde ou por meio da Ouvidoria do SUS no telefone 136. Até as 17 horas desta segunda-feira, 42 pessoas se cadastraram no site ¿ sendo 31 de Santa Maria e 11 de outros municípios.

O cadastro deverá ser preenchido tanto pelas pessoas que passaram pelos serviços de saúde após a tragédia, incluindo os pacientes internados, como também aqueles que não procuraram as unidades médicas, mas que tiveram contato com a fumaça ou atuaram no atendimento às vítimas.

“É fundamental que todos aqueles envolvidos nessa tragédia, que estavam na boate no momento do incêndio ou tendo ajudado no salvamento daquelas vítimas realize o cadastro no site do Ministério da Saúde. Essas informações serão importantes para que possamos prestar o acompanhamento clínico e psicossocial necessário para vítimas, familiares e profissionais que atuaram no atendimento”, orienta o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

As informações recebidas pelo Ministério da Saúde serão encaminhadas para a Secretaria Estadual de Saúde de Porto Alegre, que entrará em contato para realizar o agendamento da consulta médica. Os atendimentos serão concentrados no Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM) e está previsto para o próximo sábado (9) a realização de um mutirão para a triagem dessas pessoas que procurarem os serviços.

Os atendimentos darão agilidade aos monitoramentos clínicos tanto dos pacientes internados quanto de pessoas que estavam na boate ou participaram do atendimento, que tiveram contato com a fumaça tóxica liberada durante o incêndio. Além do acompanhamento clínico, o cadastro auxiliará para o agendamento de consultas também para o acompanhamento psicossocial.

Todos aqueles que se cadastrarem receberão uma ligação com a orientação do dia e hora da consulta médica no HUSM. As pessoas que não moram em Santa Maria serão orientadas pela Secretaria Estadual de Saúde a procurarem unidades de saúde referenciadas para dar continuidade ao acompanhamento médico.

ATENDIMENTO– A 3ª fase do trabalho desenvolvido pelo Ministério da Saúde, em Santa Maria, tem três prioridades de atendimento: os pacientes que foram internados com comprometimento pulmonar e ou queimaduras, as pessoas que tiveram contato na boate com os gases e inalantes, além dos amigos e familiares das vítimas que precisam de apoio psicológico.

Os pacientes que ficaram internados em situação mais grave terão prioridade na avaliação clínica. Em razão de os hospitais que realizaram o atendimento dessas vítimas já possuírem uma relação com nomes e contatos, essas pessoas já começaram a ser agendadas para acompanhamento ambulatorial. No entanto, todos aqueles que procurarem o serviço serão submetidos a uma triagem inicial para a realização de exames e definição do procedimento clínico que será adotado.A partir desta segunda-feira, a Coordenadoria Regional de Saúde do Rio Grande do Sul agendará a consulta ambulatorial no HUSM para os pacientes que realizarem o cadastro.

Em razão do incêndio da boate Kiss em Santa Maria (RS), 240 pessoas morreram e mais de 570 foram atendidas pelos serviços de saúde de Santa Maria. Atualmente, 19 pacientes permanecem internados em hospitais de Santa Maria e Porto Alegre, sendo dois em ventilação mecânica. A expectativa é que cerca de mil pessoas passem pelo atendimento no Hospital Universitário durante as quatro semanas de março, quando serão concentrados esses primeiros atendimento.

 

Agência Saúde- Ascom/MS
Fonte Agência Saúde- Ascom/MS 04/03/2013 ás 20h

Compartilhe

Vítimas podem se cadastrar para ter acompanhamento