UEFA aceita pedido da Itália e jogos da Liga Europa respeitarão um minuto de silêncio

Fonte Ansa Flash 19/11/2009 às 0h
A UEFA acatou o pedido da Federazione Italiana Giuoco Calcio (FIGC) e da Federação Italiana de Futebol (Federcalcio) para que seja respeitado um minuto de silêncio antes das duas partidas de hoje disputadas na Itália pela primeira rodada da fase de grupos da Liga Europa.

A FIGC e a Federcalcio haviam solicitado à federação organizadora das competições europeias a permissão para que os times italianos possam "testemunhar a dor e a solidariedade de todo o futebol italiano pela trágica morte dos militares do 186º Regimento [de Paraquedistas], vítimas de um atentado terrorista em Cabul".

Na prática, a medida vale para duas partidas. Será observado o minuto de silêncio em Gênova, onde o Genoa enfrenta o Slávia Praga hoje às 14h, e no Estádio Olímpico de Roma, que será palco da partida entre a Lazio e Salzburg, às 16h05.

O outro clube italiano que disputa a Liga Europa, segunda principal competição do continente, é a Roma. Mas como o time do técnico Cláudio Ranieri jogará na Suíça, contra o Basel, e não na Itália, a determinação da UEFA não precisa ser aplicada.

Além disso, os times italianos entrarão em campo hoje com uma faixa preta no braço, em sinal de luto. A FIGC também determinou que seja respeitado um minuto de silêncio na próxima rodada de todas as competições oficiais na Itália, desde Série A até as categorias juvenis.

O presidente do Comitê Olímpico Nacional Italiano (Coni), Gianni Petrucci, por sua vez, estipulou que as competições esportivas que acontecerem de hoje até domingo no país serão abertas com um minuto de silêncio.

O atentado de hoje no Afeganistão, cuja autoria foi assumida pelo grupo extremista Taliban, matou seis militares italianos e deixou cerca de 60 pessoas feridas. A explosão do carro-bomba aconteceu na movimentada estrada que leva ao aeroporto de Cabul.
Ansa Flash
Fonte Ansa Flash 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

UEFA aceita pedido da Itália e jogos da Liga Europa respeitarão um minuto de silêncio