Transtornos psicológicos x antidepressivos

Fonte Up Comunicação 17/08/2014 às 19h
Acompanhamento psicológico surte efeitos mais duradouros e importantes que a utilização indiscriminada de medicação psiquiátrica.

Através da psicoterapia, alguns pacientes podem obter bons resultados nos tratamentos contra depressão, ansiedade, fobias, dificuldades financeiras, familiares entre outros sem fazer o uso de medicamento. Os antidepressivos funcionam moderadamente em alguns tratamentos, dependendo do problema um acompanhamento psicológico surtirá mais efeito que medicamentos, além serem mais duradouros. Segundo a mestre em psicologia, Dra. Letícia Guedes da Clínica Vivencialle alguns profissionais da saúde determinam a utilização dessas drogas por não conseguirem driblar o problema vivido pelo paciente.

“A utilização de medicamento pode prejudicar a saúde da pessoa, caso seja utilizado em maior quantidade ou sem necessidade. Efeitos colaterais, dependência, ausência de libido entre outros problemas são relatados diariamente no consultório devido ao uso abusivo de medicamentos psiquiátricos. Se o ambiente e a situação do paciente permanecerem inalterados, a droga não tem capacidade para induzir mudanças no comportamento, e o cliente não se sente melhor, por isso a terapia é o melhor remédio”, explica.

A terapia cognitivo – comportamental (TCC), é reconhecida como o método mais eficaz para tratamento de problemas psicológicos, quando comparada ao uso de medicamentos a longo prazo. Mas esse aconselhamento é escasso para alguns pacientes, seja por falta de esclarecimento ou informação do profissional da saúde. Segundo levantamento feito em 2013 pela Organization for Economic Cooperation and Development (OCDE), em alguns países, um em cada 10 adultos é aconselhado a tomar antidepressivos.

“Havendo um acompanhamento por um psicólogo competente e comprometido com o cliente, juntamente com a adesão do segundo ao tratamento, a melhoria ocorre e com ela acabam as queixas apresentadas. Dessa forma, o uso de medicamento é desnecessário na maioria dos casos. O que precisa ocorrer é a mudança comportamental”, disse Dra. Letícia.

De acordo com a psicóloga, é necessário que se faça mudanças na vida deste paciente. “O lar, trabalho, rotina, vida social e individual devem ser alterados para que haja uma melhora significativa no comportamento do individuo. Não basta fazer o uso de medicamentos se o problema não for estudado de maneira intensa por um especialista. Uma dieta equilibrada e a prática regular de exercícios, por exemplo, também podem funcionar como parceiros no tratamento, pois são medidas diretamente ligadas ao bem – estar físico e psicológico, nem sempre as drogas podem proporcionar esta melhora, explica.



Sobre a Psicóloga Dra. Letícia Guedes

Sócia – proprietária da Clínica Vivencialle, Dra. Letícia Guedes é psicóloga clínica, analista do comportamento, especialista em terapia comportamental – cognitiva, Mestre em psicologia, professora de pós – graduação, palestrante, conferencista, escritora, Membro da Associação Brasileira de Psicoterapia e Medicina Comportamental – ABPMC. Possui cursos na área da sexualidade humana. Ministra cursos de terapia sexual só para mulheres, além de trabalhar com terapia de casais. A Clínica Vivencialle atua no atendimento nas áreas de: psicologia clínica, neuropsicologia, nutrição clínica e esportiva e personal trainer (treinamentos personalizados), grupos de corrida e treinamento funcional. Mais informações www.clinicavivencialle.com.br
Informações para Imprensa:

Up Comunicação
Fonte Up Comunicação 17/08/2014 ás 19h

Compartilhe

Transtornos psicológicos x antidepressivos