Trabalho das UPPs não vai parar, disse Beltrame

Fonte Agência Brasil 03/03/2013 às 18h

 

Rio de Janeiro – O secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse hoje (3) que o programa de retomada das comunidades, por meio das unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), não sofrerá descontinuidade, como teme parte da população.

Em entrevista no Quartel-General da Polícia Militar, Beltrame fez um balanço da ocupação do conjunto de favelas do Caju e da Barreira do Vasco, após a operação deflagrada que envolveu 1.400 homens das forças estadual e federal. O secretário disse que o ”programa [UPP] não vai parar, a polícia não vai sair e, se houver necessidade, haverá aumento de efetivo”.

Beltrame reafirmou que o projeto das UPPs é fruto de planejamento maior, que não visa apenas a grandes eventos esportivos ou religiosos. “Não estamos fazendo um projeto para Olimpíadas, Encontro Mundial da Juventude, Copa do Mundo ou Copa das Confederações. É um projeto para o cidadão fluminense. Preparar esta cidade para um evento não significa encher de polícia, fazer um evento maravilhoso, e na segunda-feira a polícia vai embora e fica o cidadão viúvo de segurança.”

O secretário reconheceu que ainda existem focos de resistência dos criminosos em algumas localidades pacificadas, mas disse que isso já era esperado. “Tiroteio nas UPPs podem acontecer, estão acontecendo e poderão continuar acontecendo. Não temos garantia nenhuma de que alguém, em um lugar desses, não tenha uma arma de fogo e não tente fazer alguma coisa contra a polícia. Interesses estão sendo constrangidos e provocados. E obviamente seria uma ingenuidade dizer que essas pessoas vão virar as costas e largar isso na mão da polícia.”

Segundo Beltrame, já são 8 mil policiais envolvidos diretamente nas 31 UPPs implantadas ou em fase de implantação, contingente que deverá chegar a 12,5 mil até o final do ano. Atualmente, o efetivo de policiais militares no estado do Rio é de 42 mil homens, número que poderá chegar a 60 mil. Por mês, são formados 500 soldados na Academia de Polícia Militar, o que significa 6 mil novos ingressos por ano, contra 1,2 mil policiais que saem da corporação, por aposentadoria ou expulsão. Só no ano passado, segundo o comandante geral da PM, coronel Erir Ribeiro, foram expulsos cerca de 300 policiais.

Beltrame não quis precisar quando haverá a ocupação do restante do Complexo da Maré, região vizinha às favelas do Caju e da Barreira do Vasco, mas disse que é só uma questão de tempo. Ele disse também que, até 2014, chegarão a Niterói e à Baixada Fluminense as primeiras UPPs, até agora restritas à capital.

 

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 03/03/2013 ás 18h

Compartilhe

Trabalho das UPPs não vai parar, disse Beltrame