"Silenciamento social" marca participação feminina no esporte, critica especialista

Fonte Imprensa Unicamp 09/03/2013 às 20h

Apesar dos avanços conquistados, ainda há um ‘forte silenciamento social’ em relação à participação feminina nas atividades esportivas. A crítica é da especialista Helena Altmann, professora da Faculdade de Educação Física (FEF) da Unicamp. A educadora física, que atua na área de gênero e sexualidade, organizou nesta sexta-feira (8) uma mesa de debates sobre o tema. O evento aconteceu no auditório da FEF em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.

“Observamos, no momento atual, que existe um forte silenciamento social em relação à participação das mulheres no esporte. Se vocês abrirem o jornal no dia de hoje, o caderno de esporte traz somente matérias sobre competições masculinas. Além disso, quando se fala da mulher no esporte, o foco é muito mais em relação a sua beleza e sensualidade do que ao seu desempenho”, critica Helena Altmann.
O evento contou com a participação de ex-atletas do esporte nacional. Entre elas, a competidora campineira Conceição Aparecida Geremias, que disputou três olímpiadas no atletismo e obteve medalha de ouro no heptatlo durante o Pan-Americano de Caracas em 1983.
Ex-jogadora de futebol, técnica, árbitra e atualmente docente da FEF, Heloisa Helena Baldy dos Reis também esteve no debate, ao lado da colega Carla Righeto. Carla é árbitra internacional de handebol, ex-jogadora e professora de Educação Física da Rede Municipal de Ensino de Campinas.
Um dos poucos homens presentes ao evento, o docente Miguel de Arruda, diretor-associado da FEF, afirmou que antigamente havia desconhecimento sobre as condições fisiológicas das mulheres. “Imaginava-se que a mulher não tinha condições do ponto de vista fisiológico de suportar o esforço de uma determinada prova”, pontuou.
Os organizadores lembraram ainda a história da jovem grega Stamata Revithi. Ela correu uma maratona de 40 quilômetros durante os jogos olímpicos de 1896, apesar das mulheres terem sido excluídas da competição. As discussões foram promovidas pelo Departamento de Educação Física e Humanidades, Programa de Pós-graduação em Educação Física e Grupo de Pesquisa Corpo e Educação.

Imprensa Unicamp
Fonte Imprensa Unicamp 09/03/2013 ás 20h

Compartilhe

"Silenciamento social" marca participação feminina no esporte, critica especialista