SiBBr começa a identificar dados sobre biodiversidade e ecossistemas

Fonte Ascom do MCTI e Ascom do Pnuma 06/03/2013 às 15h
O Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr), plataforma online que integrará dados de diversas fontes sobre biodiversidade e ecossistemas, iniciou o levantamento das instituições detentoras de informações específicas sobre o tema.

 

Mais de 400 delas, entre universidades, centros de pesquisa e outras entidades científicas, foram convidadas a participar da pesquisa pelo Ministério da Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), responsável pelo projeto em cooperação com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e o Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF).

O levantamento quer identificar como a informação está apresentada e armazenada nessas entidades e qual a infraestrutura de informática existente nas parceiras do sistema. O MCTI pede que os questionários sejam respondidos até o dia 15.

Os dados serão colhidos por meio de uma pesquisa, disponível no site do SIBBr. Na página, é possível fazer o cadastro e solicitar a inclusão de instituições no levantamento.

Para a diretora da Secretaria de Políticas e Programas Temáticos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Seped/MCTI), Mercedes Bustamante, a pesquisa representa um passo importante do processo participativo de construção do SiBBr. "A identificação mais detalhada das condições das instituições quanto às estruturas de dados relevantes para o sistema, bem como quanto à capacidade de informática disponível, permitirá o desenho mais adequado do sistema e de iniciativas correlatas que visem sanar eventuais dificuldades”, diz. A pesquisa possibilitará também, de acordo com a diretora, estabelecer a rede de contatos institucionais, vital para fomentar parcerias e sinergias.

Integração de dados

Para apresentar os dados com eficiência, o SiBBr precisa considerar todas as informações disponíveis nessas entidades, como herbários e coleções biológicas, zoológicas e de micro-organismos. Sistemas de informações sobre biodiversidade e ecossistemas, incluindo dados bibliográficos e cartográficos, também serão incluídos.

A pesquisa consiste em dois questionários – um direcionado para o curador da coleção e responsáveis pelos catálogos, e outro para o responsável pela área de informática, que fornecerá os dados de infraestrutura.

O SiBBr integrará bancos de dados sobre a biodiversidade e ecossistemas brasileiros, subsidiando pesquisas científicas e a formulação de políticas públicas. O projeto tem como principais parceiros a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), instituições ligadas ao MCTI, responsáveis pelo desenvolvimento e hospedagem do sistema.

Dados globais

Em outubro, o Brasil aderiu à Plataforma Internacional de Informações sobre Biodiversidade (GBIF, na sigla em inglês). Criada em 2001, com sede em Copenhague, na Dinamarca, é considerada a maior iniciativa mundial com objetivo de disponibilizar dados com acesso livre sobre biodiversidade na internet.

O passo formal para se tornar membro da GBIF foi a assinatura do Protocolo de Entendimento GBIF pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp. Essa iniciativa inseriu o país numa comunidade global que compartilha ferramentas, competências e experiências relacionadas com a gestão dos recursos de informações biológicas.

Mesmo antes da adesão do Brasil à GBIF, mais de 1,6 milhão de registros relativos à biodiversidade nacional estavam acessíveis por meio do portal de dados da GBIF, provenientes de mais de 700 conjuntos de dados mantidos em 28 países.

Com a entrada para a plataforma, amplia-se a possibilidade de publicação dos diversos registros digitais que documentam a variedade excepcional de plantas, animais e outros organismos no país por meio da GBIF, a partir das instituições brasileiras de pesquisa, museus, herbários e redes de observação. O objetivo do país é compartilhar experiências e estabelecer uma interface com o SIBBr.

O Brasil abriga cerca de 15% de toda a biodiversidade do planeta em seis biomas (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Pampa, Mata Atlântica e Pantanal) e em sistemas costeiros e oceânicos.

 

Ascom do MCTI e Ascom do Pnuma
Fonte Ascom do MCTI e Ascom do Pnuma 06/03/2013 ás 15h

Compartilhe

SiBBr começa a identificar dados sobre biodiversidade e ecossistemas