Sete dias de violência provocam reflexões entre conhecedores e estudiosos das favelas cariocas

Fonte Agência Brasil 19/11/2009 às 0h
Na véspera de completar uma semana sem trégua, a violência nas favelas cariocas, sobretudo na zona norte da cidade, provoca reflexões variadas entre acadêmicos dedicados ao tema e pessoas diretamente ligadas à parcela mais pobre da sociedade local, espremida entre traficantes de drogas em guerra e a ação policial nos morros e no asfalto.

“Há uma grande bomba atômica no Rio de Janeiro que tentam esconder, mas que dá sinais de que está pronta para explodir, como agora”, garante sem meias palavras a radialista Verônica Costa, três vezes vereadora eleita por jovens da periferia.

“Você vê meninas de 13 anos – uns bebês – grávidas, com outros bebês na barriga, vê garotos de 15 anos que dizem abertamente ‘morrer, para mim, é lucro’. Não têm autoestima, nenhuma perspectiva de futuro, e ninguém faz nada, nem escola, nem governo, ninguém está preocupado com eles”, queixa-se.

Baseado no mesmo estrato social que a ex-vereadora, mas com objetivos diferentes, MC Leonardo, presidente da Associação dos Profissionais e Amigos do Funk, aponta uma solução tão simples quanto polêmica:

“Tem que legalizar as drogas. O que você não consegue conter tem que regulamentar. É como o aborto, não adianta proibir. Se liberar as drogas, daqui a 50 anos meus netos vão dizer ‘cara, naquele tempo tinha fuzil na favela, tinha criança armada’. O problema é que a legalização vai contra interesses mais fortes, o comércio de armas”, analisa.

Ao mesmo tempo em que se confessa abismado, MC Leonardo atribui o cenário dos últimos dias ao que considera erro estratégico “de tanta política de ‘caveirão’ e de blindado subindo as favelas”.

“A polícia deixa um rastro de insegurança e de prejuízo na comunidade, comércio fechado, escolas sem aulas, população com medo”, resume. “E pior é que esta não é uma situação do Rio de Janeiro, é nacional, é internacional. Os maiores consumidores de drogas são os Estados Unidos, que são contra a legalização porque interessa alimentar a guerra do tráfico, as armas de um lado e de outro”.

Verônica Costa concorda e joga mais lenha na fogueira da discussão: “Eu acho isso tudo um escândalo internacional. Há pouco tempo um atirador de elite da polícia acertou a cabeça de um sequestrador ali mesmo em Vila Isabel e a população aplaudiu. Agora derrubaram um helicóptero e a polícia promete vingança. E no meio dessa escalada, as pessoas estão preocupadas com Copa do Mundo e Olimpíadas no Rio”.

Coordenador do Programa de Controle de Armas da organização não governamental Viva Rio, o sociólogo Rangel Bandeira, considera imprescindível rever o modelo do combate à violência, a partir das Forças Armadas e das polícias, “dois setores da sociedade que não foram democratizados depois da ditadura”.

“O que está por trás desta crise que já dura 25 anos é a escalada armamentista, resultado da facilidade com que as armas pesadas chegam ao narcotráfico. A Baía de Guanabara é um shopping noturno, lanchas levam todo tipo de contrabando para as favelas. Onde está a Polícia Federal? Não trabalha à noite. E a Capitania dos Portos da Marinha? Jogando vôlei”.

Rangel lembra que em 2005 a CPI das Armas da Câmara dos Deputados apurou que 68% das armas pesadas apreendidas com bandidos tinham origem em oito lojas, mas nada foi feito. “O responsável pelo comércio de armas no país é o Departamento de Fiscalização de Produtos Controlados, do Exército, que não fiscaliza nada porque não tem condições, mas não deixa ninguém fiscalizar. Por que?”.

Em depoimento à CPI, em 2005, um traficante de drogas preso admitiu que as armas estrangeiras “passeiam tranquilamente pelas estradas”, segundo o sociólogo. “Não tem polícia nem federal, nem rodoviária, nem Forças Armadas, nada. O que vemos é a compra de mais armamento e munição pelas polícias, mais desvio para os bandidos, mais corrupção. Enfim, mais do mesmo. E assim não se chegará a nenhuma solução”.
Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Sete dias de violência provocam reflexões entre conhecedores e estudiosos das favelas cariocas