Riscos digitais representam desafio crescente para empresas, aponta estudo da Ernst & Young

Fonte Empório Comunicação 27/02/2013 às 11h

Setenta e cinco por cento das empresas disseram sofrer um aumento de ataques externos;

empresas têm dificuldades para acompanhar mudanças

27 de fevereiro de 2013 - Organizações precisam mudar suas estratégias de segurança da informação para responder às ameaças representadas pelas tecnologias já existentes e pelas novas ferramentas, de acordo com o estudo Global Information Security Survey 2012, divulgado pela Ernst & Young. Cerca de 1.800 pessoas de 64 países participaram da pesquisa, desde CIOs de empresas globais até especialistas em segurança da informação.

Segundo o estudo, que está em sua 15ª edição, as empresas investem em solucionar problemas de segurança em curto prazo, sem lidar com as ameaças mais abrangentes. Com 31% das corporações sofrendo um número maior de incidentes de segurança nos últimos dois anos, a necessidade de desenvolver uma nova arquitetura de segurança nunca foi tão grande. No entanto, 63% das organizações não possuem esse planejamento, e apenas 16% apontam que o sistema de segurança de sua empresa atende às necessidades da companhia.

As novas tecnologias vêm gerando hoje mais riscos e ameaças internas e externas para as empresas, do que ocorria em 2007. As companhias estão mais expostas por causa de e-mails, links e até redes sociais. Com isso, dados, informações sigilosas correm mais riscos de serem roubadas. A maioria das empresas não consegue acompanhar a velocidade das mudanças, surgindo uma lacuna em segurança de informação.

Embora as empresas estejam se esforçando para manter a segurança, por meio de investimentos, treinamentos de governança e de integração, as ameaças também se sofisticaram e mantêm o desafio para as companhias. Em 2008, apenas 18% dos entrevistados indicaram que a segurança da informação era integrada à estratégia de negócios; enquanto 33% sugeriram que a segurança da informação fazia parte apenas da estratégia de TI. Em 2012, esses números saltaram para 42% e 56%, respectivamente.

Em 2009, 41% dos entrevistados notaram um aumento nos ataques externos. Em
2011, esse número saltou para 72%. Em 2012, o número voltou a subir para 77%. Questões como prevenção de perda de dados e terceirização das atividades de segurança são as principais prioridades das empresas nos próximos 12 meses.

Um total de 67% dos entrevistados disseram pretender gastar mais com as novas tecnologias, e 33% pretendem investir a mesma quantia que há 12 meses. Ainda de acordo com o estudo, 24% dos participantes afirmaram gastar entre R$ 200 milhões e R$ 500 milhões em segurança da informação, valor que inclui funcionários, processos e custos de tecnologia.

Ameaças das novas tecnologias

As novas tecnologias abrem oportunidades para as organizações, mas também criam ameaças de fontes antes desconhecidas. A computação em nuvem continua a ser um dos principais propulsores da inovação do modelo de negócios, tendo o dobro de empresas utilizando-a em comparação aos últimos dois anos. No entanto, apenas 38% das companhias adotaram medidas para minimizar os riscos, tais como o uso de um sistema de codificação.

“Atualmente, 44% das organizações permite o uso de tablets particulares - contra apenas 20% em 2011- um aumento substancial de informações está agora disponível dentro e fora do escritório, tornando o controle cada vez mais difícil”, explica Alberto Fávero, sócio de Riscos em TI da Ernst & Young Terco.

“Embora o estudo identifique alguns dos atuais gaps em segurança, existem outros no horizonte, em forma de intervenção do governo e novas pressões regulatórias. Se as organizações não agirem para desenvolver estratégias abrangentes de segurança, os problemas atuais e futuros irão alimentar ainda mais as ameaças”, acrescenta Sergio Kogan, sócio de Consultoria para Riscos de TI da Ernst & Young Terco.

Sobre a Ernst & Young Terco:

 

A Ernst & Young é líder global em serviços de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e Consultoria. Em todo o mundo, nossos 152 mil colaboradores estão unidos por valores pautados pela ética e pelo compromisso constante com a qualidade. Nosso diferencial consiste em ajudar nossos colaboradores, clientes e as comunidades com as quais interagimos a atingir todo o seu potencial, em um mundo cada vez mais integrado e competitivo.

 

No Brasil, a Ernst & Young Terco é a mais completa empresa de Auditoria e Consultoria, com 4.900 profissionais que dão suporte e atendimento a mais de 3.400 clientes de pequeno, médio e grande porte.

 

Em 2011, a Ernst & Young Terco foi escolhida como Apoiadora Oficial dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e fornecedora exclusiva de serviços de Assessoria e Auditoria para o Comitê Organizador. O alinhamento dos valores do Movimento Olímpico e da Ernst & Young Terco foi decisivo nessa escolha.

 

Links:

Visite o site: http://www.ey.com.br

Empório Comunicação
Fonte Empório Comunicação 27/02/2013 ás 11h

Compartilhe

Riscos digitais representam desafio crescente para empresas, aponta estudo da Ernst & Young