Quatro cidades da Baixada Fluminense estão entre as maiores do país sem tratamento de esgoto

Fonte Agência Brasil/EcoAgência 29/03/2013 às 16h

Belford Roxo, na Baixada Fluminense, tem a segunda maior média do país de internação por diarreia, com 367,1 por 100 mil habitantes, atrás de Ananindeua, no Pará.

A falta de saneamento básico é uma das principais causas das doenças diarreicas no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o problema afeta principalmente a população de baixa renda e causa 88% das mortes por diarreia no mundo. Desse total, 84% são crianças. As diarreias são a segunda maior causa de morte de menores de 5 anos. Por ano, 1,5 milhão de crianças morrem por doenças diarreicas, frequentes nas estações chuvosas e em países quentes, já que inundações e secas aumentam o risco de cólera, giardíase, febre tifoide e infecção por Escherechia coli e Shiguella. No Brasil, elas representam 80% das doenças relacionadas ao saneamento inadequado.

Dados do Ministério da Saúde mostram que doenças do aparelho digestivo são a sexta causa de morte no país, enquanto as doenças infecciosas e parasitárias ficam em sétimo lugar. O sistema Datasus revela que o número de óbitos por doença diarreica aguda em menores de 5 anos de idade em 2010 foi 36 na região metropolitana do Rio de Janeiro e 46 no estado do Rio, chegando a 1.005 no Brasil, o que representa 2,1% do total de óbitos no país.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o número caiu 51% de 2003 a 2008. Apesar da melhora, a taxa de mortalidade por mil nascidos vivos em menores de 5 anos no Brasil era 18,6 em 2010, ante 32 no ano 2000. Uma das metas do Programa Brasil Carinhoso, de proteção à primeira infância, é reduzir as mortes por diarreia em 28% nessa faixa etária.

O estudo Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da População foi produzido pelo Instituto Trata Brasil, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). O documento, que reuniu dados dos 100 municípios mais populosos do Brasil de 2008 a 2011, mostra que a cidade com maior número de internações por diarreia por 100 mil habitantes é Ananindeua, no Pará, com índice de 1.210,9, seguido por Belford Roxo, na Baixada Fluminense, onde foram internadas, em média, 367,1 pessoas para cada 100 mil habitantes por ano.

Entre os 30 municípios com maior número de internações estão Nova Iguaçu (165,2) e São João de Meriti (138,4), também na baixada, além de São Gonçalo (114,5), na região metropolitana, e Campos dos Goytacazes (115,2), no norte fluminense. Duque de Caxias, na baixada, aparece na posição 37, com média de 58,6. O município do Rio de Janeiro está bem colocado, em quinto lugar, com média de 15 internações por doenças diarreicas por ano a cada 100 mil habitantes.

Em 2011, das 396 mil pessoas internadas por diarreia no Brasil, 14% moravam nos 100 maiores municípios analisados. Somente nas dez cidades com as maiores taxas foram 20 mil internações, o que corresponde a 35% do total da amostra analisada. O levantamento revela também que 53% das internações por diarreia foram de crianças, que são mais vulneráveis à falta de saneamento.

Em 60 das 100 cidades analisadas, o baixo índice de saneamento básico levou à alta taxa de internação. Nas 20 melhores cidades em taxa de internação, em média 78% da população era atendidos com coleta de esgoto. Nas dez cidades com maior índice de internação, menos de 30% da população tinham coleta de esgoto.

Agência Brasil/EcoAgência
Fonte Agência Brasil/EcoAgência 29/03/2013 ás 16h

Compartilhe

Quatro cidades da Baixada Fluminense estão entre as maiores do país sem tratamento de esgoto