Presos de Guantanamo chegam aos 100 dias de greve de fome

Fonte Agência Brasil/EBC* 17/05/2013 às 12h

Bogotá - Quase 130 dos 166 detentos (78,3%) da Prisão de Guantanamo, na Base Naval dos Estados Unidos em Cuba, chegaram hoje (17) aos 100 dias sem ingerir alimentos. Os presos acusam os funcionários do presídio americano de abusos e maus-tratos, o que teria motivado a greve de fome.

Embora os advogados de defesa sustentem que seja esse o número de detentos, as autoridades da prisão contestam, dizendo que o total de presos sem comer seria 100, o que ainda representa a maioria.

Segundo os defensores dos presos, pelo menos 30 vêm sendo alimentados à força há algumas semanas e cinco estariam hospitalizados dentro da base naval. Os presos denunciam que são alimentados sob tortura, em “procedimento doloroso”, e que também recebem castigos por se negar a comer.

O Exército americano reconheceu que cerca de 30 grevistas recebem comida à força, mas segundo as denúncias dos advogados, para receber a “alimentação forçada” os presos são acorrentados em cadeiras e recebem a comida por um tubo largo que é introduzido em suas fossas nasais e que chega ao estômago com nutrientes líquidos.

“Nunca me esquecerei da primeira vez em que passaram o tudo de alimentação pelo meu nariz. Não posso descrever o quão doloroso é ser alimentado à força desta maneira”, relatou um preso a seu advogado.

O protesto começou em fevereiro, quando um grupo pequeno decidiu iniciar a greve de fome. Além dos maus-tratos, os detentos reclamam que os responsáveis pela segurança profanam o Alcorão – livro sagrado dos mulçumanos - e se apropriam de objetos pessoais dos presos.

Os advogados têm relatado que outra reclamação dos detentos é a indefinição sobre os tempos de pena que cumprem em Guantanamo. Recentemente uma Comissão da Cruz Vermelha Internacional visitou a prisão para averiguar as instalações carcerárias e o estado de saúde dos presos. De acordo com o organismo, a situação é crítica dentro do presídio e há risco de uma “crise humanitária”.

A maioria dos presos de Guantanamo foi detida por forças militares americanas no Afeganistão e Paquistão. Há alguns dias, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, falou sobre o tema e prometeu trabalhar para conseguir transferir os 166 presos. Cuba também já se manifestou para que a prisão seja retirada de seu território.

A prisão está localizada em uma base militar dos Estados Unidos, na Baía de Guantanamo, parte arrendada da ilha cubana pelo governo americano em 1903.

Com informações da Multiestatal Telesur

Agência Brasil/EBC*
Fonte Agência Brasil/EBC* 17/05/2013 ás 12h

Compartilhe

Presos de Guantanamo chegam aos 100 dias de greve de fome