Prêmio Octavio Frias de Oliveira é entregue a pesquisadores

Fonte Agência FAPESP 06/08/2014 às 5h
O 5º Prêmio Octavio Frias de Oliveira, oferecido pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) em parceria com o Grupo Folha, foi entregue na terça-feira (05/08) a pesquisadores cujos trabalhos levaram ao desenvolvimento de uma vacina que ataca lesões e tumores causados pelo HPV e de um anticorpo com potencial de combater células tumorais de ovário, rim e pulmão.

A pesquisa “Imunoterapia para o controle de tumores associados a infecção por vírus papiloma humano (HPV)”, conduzida com o apoio da FAPESP por Mariana de Oliveira Diniz, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), foi laureada na categoria Pesquisa em Oncologia.

Na categoria Inovação Tecnológica foi premiada pesquisa realizada no âmbito do projeto “Linhagens celulares da alta produtividade e estabilidade de anticorpos monoclonais humanizados para terapia de câncer”, com financiamento do Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (PITE-FAPESP) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), desenvolvida sob a coordenação de Ana Maria Moro, do Instituto Butantan.

Também foi premiada a cirurgiã Angelita Habr-Gama, professora titular da USP, na categoria Personalidade em Destaque.

Vacina contra HPV

A proposta do trabalho com imunização terapêutica em casos de HPV, ainda em fase experimental, é aplicar a vacina em pacientes que já tenham lesões ou tumores provocados por um dos tipos do vírus, o HPV 16. Testes em roedores, cujos resultados foram publicados na revista Human Gene Therapy, levaram a uma estimulação do sistema imune e à destruição das células pré-cancerígenas.

A pesquisa está na fase de produção da vacina para a inoculação em humanos. A partir dos resultados encontrados, os pesquisadores trabalham na viabilização do ensaio clínico, que vai ser realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

As próximas atividades envolvem a produção do fármaco, a realização de ensaios pré-clínicos e a elaboração do protocolo de pesquisa clínica. A expectativa é que os resultados levem a aplicações em outros tipos de câncer, como os de cabeça e pescoço, reto e pênis, associados ao HPV.

Anticorpo

A pesquisa do Instituto Butantan realizada em parceria com a USP, a empresa brasileira de biotecnologia Recepta Biopharma e o Instituto Ludwig gerou uma nova linhagem celular para a produção de um anticorpo monoclonal (mAb, na sigla em inglês) com potencial de combater células tumorais de ovário, rim e pulmão.

Batizado RebmAb 200, o anticorpo é capaz de reconhecer e ligar-se a moléculas específicas na superfície dos tumores, agindo apenas sobre elas – enquanto tratamentos convencionais contra o câncer, como quimioterapias e radioterapias, atingem ao mesmo tempo células tumorais e sadias.

Embora o RebmAb 200 ainda não tenha sido usado clinicamente, há potencial para aplicação no tratamento de câncer de ovário em função de resultados preliminares obtidos no Ludwig Institute for Cancer Research (LICR), em Nova York.

Os pesquisadores também avaliam a possibilidade de utilização do anticorpo contra células tumorais de rim e de pulmão. Com a colaboração do Departamento de Patologia da FM-USP, estudos de imuno-histoquímica revelaram que o RebmAb 200 estabelece ligação com células tumorais dos dois órgãos, além do ovário e também de alguns tipos de câncer de mama.

Os resultados do trabalho foram publicados na revista PLoS One. O artigo foi eleito como a melhor publicação de 2013 pelo IV Prêmio Fundação Butantan, destinado a estudos vinculados ao instituto (leia mais em http://agencia.fapesp.br/19050)

Menção honrosa

Também foi feita menção honrosa ao trabalho de um consórcio de pesquisadores coordenado pela USP de Ribeirão Preto, que permitiu reduzir pela metade a mortalidade da leucemia promielocítica aguda (LPA) em pacientes com a doença em países em desenvolvimento. O estudo, com 180 pessoas, testou uma mudança no protocolo de tratamento.

No estudo, 180 pacientes foram acompanhados entre 2006 e 2010 – 122 no Brasil, 30 no México, 23 no Chile e oito no Uruguai. Em 2011, 153 (85%) tiveram remissão completa; 27 (15%) pessoas morreram nos primeiros 30 dias de tratamento, com nove mortes na primeira semana.

Os resultados foram publicados na revista Blood, da American Society of Hematology.

A pesquisa é coordenada no Brasil por Eduardo Rego, médico do Centro de Terapia Celular do Hemocentro de Ribeirão Preto, ligado ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HCFMRP) da USP.

Além da USP, estão entre as instituições brasileiras que participam do consórcio a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Fundação Hemope, de Pernambuco. Do exterior, participaram instituições do México, Chile, Uruguai, Estados Unidos e do continente europeu.

Premiação

Para cada categoria, a premiação é de R$ 16 mil. A comissão julgadora do prêmio é formada por representantes da FAPESP e de academias de medicina e ciências. Concorreram 15 pesquisas na edição deste ano.

De acordo com a organização, o objetivo da premiação é incentivar e reconhecer a produção de conhecimento nacional na prevenção e no combate ao câncer.

Mais informações sobre edições anteriores do prêmio em www.icesp.org.br.
Agência FAPESP
Fonte Agência FAPESP 06/08/2014 ás 5h

Compartilhe

Prêmio Octavio Frias de Oliveira é entregue a pesquisadores