Prefeito do Rio quer unificar sinfônicas

Fonte Agência Brasil 30/04/2013 às 20h

Rio de Janeiro- A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira (Fosb) e o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, marcaram uma audiência para quinta-feira (2) para discutir o corte de R$ 8 milhões que a prefeitura dava ao conjunto. Hoje (30), Paes questionou a gestão da orquestra, feita pela fundação, de economia mista, com orçamento anual de R$ 40 milhões.

Durante entrevista na sede da Empresa Olímpica Municipal, Eduardo Paes propôs a unificação da OSB com a Orquestra Petrobras Sinfônica para otimizar os investimentos. “Tenho defendido há muito tempo que essas orquestras se integrem e tenham um orçamento volumoso que permita à orquestra ter uma projeção que a cidade merece “, disse Paes.

O prefeito, que questionou “uma disputa de vaidades” para a manutenção dos dois conjuntos na cidade, disse que a ideia não é deixar o Rio sem a orquestra, mas fazer a discussão com a OSB.“A prefeitura não se nega a ajudar, mas, às vezes, é preciso fazer certas rupturas para que as pessoas entendam que não estão cuidando de feudos ou guetos”, disse.

Apesar do caráter público-privado da OSB, que também recebe recursos da Vale e do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), Eduardo Paes questionou a administração da orquestra e disse que há problemas. “A OSB não é nenhum exemplo de gestão”, disse Paes, sem especificar quais. Segundo ele, o assunto será tratado na audiência, marcada para esta semana.

O superintendente da OSB, Ricardo Levisky, que não ouviu a entrevista, explicou que a gestão da orquestra é “um triângulo” que envolve recursos públicos, privados e de pessoas físicas “justamente para não ficar dependente de uma única empresa ou do governo. “Todo o dinheiro é auditado, até porque vem de fontes públicas. Nunca tivemos problemas”, disse.

Sobre a unificação entre a OSB e a Orquestra Petrobras Sinfônica, Levisky não se pronunciou. No entanto, explicou que o orçamento reflete custos de uma orquestra de médio porte e que o gasto da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) é R$ 90 milhões. A maioria dos investimentos no Rio vão para salários e projetos musicais para jovens e crianças.

"Crescemos de 20 concertos para mais 90 concertos por ano, tivemos um aumento de salários que subiram de R$ 2 mil para R$ 9 mil por mês, considerando gratificações e direito de imagem. A orquestra tem um crescimento de público em ambientes fechados, como o Theatro Municipal, e abertos, como o Complexo do Alemão e a Praia de Copacabana”.

O superintendente também acrescentou que há um contrato de exclusividade com os músicos. Eles não podem tocar em outras orquestras, como sugeriu Paes.

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 30/04/2013 ás 20h

Compartilhe

Prefeito do Rio quer unificar sinfônicas