PIANOS EM JUBILEU: uma rara e tríplice oportunidade

Fonte CCR Ponte 19/11/2009 às 0h
ORQUESTRA BACHIANA BRASILEIRA

Direção e regência: Ricardo Rocha


Três compositores, três efemérides, três grandes pianistas: os brasileiros Claudio Santoro e Heitor Villa-Lobos, unidos ao alemão Felix Mendelssohn, serão homenageados pela Cia. Bachiana Brasileira num espetáculo diferente: Pianos em Jubileu, recital único no sábado, 12 de setembro, na Sala Cecília Meirelles, às 20h, sob a regência de Ricardo Rocha, à frente da Orquestra Bachiana Brasileira.

A montagem foi desenhada para apresentar três grandes concertos para piano e orquestra, não apenas de rara beleza, mas também de rara execução, tocados por três dos maiores pianistas brasileiros de nossa atualidade: Giulio Draghi, Clélia Iruzun e Flávio Augusto.

Caberá a Giulio Draghi, um dos mais brilhantes pianistas da nova geração, a abertura do programa com o solo de piano do Concerto n. 1 de Cláudio Santoro (1919-1989). Esta obra, desconhecida do grande público, mas que chegou a ser gravada pelo filho do compositor, Alessandro Santoro, na antiga União Soviética, foi escrita em 1952 e nos mostra a vitalidade do compositor a serviço de uma estética explicitamente comprometida com a brasilidade, com melodias que precederam o movimento da Bossa Nova.

A pianista brasileira Clélia Iruzun, de fama internacional e há muito radicada em Londres, virá ao Rio especialmente para tocar o primeiro concerto para piano de Felix Mendelssohn (1809-1847). Obra de grande virtuosismo pianístico, escrita no frescor dos 23 anos de idade do compositor, acabou de ser gravada na Suécia por esta nossa pianista com a Västera Sinfonietta, sob a regência de Joachim Gustafsson, em um belo CD que estará à disposição do público no dia do concerto.

Para o encerramento, após o intervalo, teremos as Bachianas Brasileiras n. 3, para piano e orquestra, de Heitor Villa-Lobos (1887-1959), apresentada por ninguém menos que o primeiro brasileiro a conquistar o 1º lugar do “Concurso Internacional de Piano Villa-Lobos”, no Rio de Janeiro: o pianista Flávio Augusto, que o venceu tocando justamente esta obra, de pungente beleza e grande virtuosismo orquestral, particularmente na Tocata do último movimento, Pica-Páo.


Três obras de rara beleza e rara execução, unidas em uma só montagem.

O concerto, em apresentação única, terá preços populares (R$ 10,00, platéia superior e R$ 20,00, platéia) com 50% de desconto para estudantes e pessoas acima de 60 anos.

Este concerto não seria possível sem o patrocínio do MinC e do Grupo CCR, por meio de sua política cultural CCR Cultura nas Estradas e de suas concessionárias CCR Ponte, CCR NovaDutra  e CCR ViaLagos.

 

Mais informações: Sala Cecília Meireles, tel.: 2332-9176. Cia. Bachiana Brasileira: 2245-0058


Sobre a CCR: A CCR é uma das maiores empresas de concessão de rodovias do mundo. Criada em 2004, a política cultural CCR Cultura nas Estradas foi desenvolvida a partir de um amplo estudo realizado junto às cidades cortadas pelas rodovias administradas pela CCR, que teve por objetivo mapear os equipamentos culturais existentes. Dessa forma, o projeto atua diretamente nas áreas de maior carência cultural, levando produções brasileiras de qualidade para todas as regiões de abrangência de suas concessionárias. Em 2008, mais de 1 milhão de pessoas tiveram acesso às iniciativas patrocinadas pelo CCR Cultura nas Estradas, por meio de projetos de circo, cinema, teatro, dança, exposições e outras manifestações artísticas.
CCR Ponte
Fonte CCR Ponte 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

PIANOS EM JUBILEU: uma rara e tríplice oportunidade