Pesquisadora defende mestrado por videoconferência

Fonte Secretaria de Comunicação da UnB 31/03/2013 às 8h

Defesa é a primeira da UnB realizada com este tipo de recurso. Apresentação aconteceu em sala do CDT com a participação de especialistas da Université Lumière Lyon.

Pela primeira vez na história da Universidade de Brasília, foi autorizada a participação de um membro externo na banca examinadora, durante a defesa de uma tese de Mestrado, por meio de videoconferência.

Na manhã desta quarta-feira (27), a mestranda do Laboratório de Línguas Indígenas da Universidade de Brasília (LIP/IL), Suseile Andrade de Sousa, fez a defesa de dissertação do seu Mestrado, na sala GDLN Brasil, localizada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Com o título “Contribuições para a história linguística do subgrupo Tupi-Guarani Norte-Amazônico, com ênfase na língua Zo’é”, a pesquisadora teve a oportunidade de ter o seu trabalho avaliado por especialistas brasileiros e estrangeiros dessa área.

A orientadora de Suisele falou sobre a importância do uso de tecnologias como a videoconferência para expor os trabalhos desenvolvidos na Universidade de Brasília, Brasil afora. “Para fazer a defesa aqui foi muito difícil, porque nós sempre lidávamos com um obstáculo que é a legislação, que não está previsto pelas regras da UnB defesas num sistema como esse, mas a Universidade precisa se renovar, ela precisa acompanhar o desenvolvimento e esse espaço tem que ser usado maximamente por todos. Agora, vamos começar uma série de seminários com pesquisadores estrangeiros contribuindo para a formação dos nossos alunos e dando visibilidade aos trabalhos da Universidade de Brasília. Isso faz com que nosso trabalho seja muito mais apreciado e muito mais reconhecido cientificamente”, destacou Ana Suelly.

A banca foi composta pela orientadora da mestranda, professora doutora Ana Suelly Arruda Câmara Cabral, da Universidade de Brasília; pela professora doutora Françoise Rose, da Université Lumière Lyon 2, França, que foi contactada por videoconferência; pela professora doutora Beatriz Carretta, da UNESCO; e pelo professor doutor Aryon Dall'Igna Rodrigues, também da Universidade de Brasília.

A dissertação da pesquisadora é um estudo histórico comparativo entre três línguas indígenas: o Zo’é, o Wayampi e o Emérillon. Dessa forma, a banca foi escolhida considerando a especificidade do tema tratado, o qual exigia especialistas das respectivas línguas. A professora Françoise Rose é especialista na língua “Emérillon” e ajudou a avaliar o trabalho de Suseile.

Para Suisele, foi uma experiência única a oportunidade de ter uma especialista do exterior na sua banca, fato possibilitado pelo uso da videoconferência. “Eu nunca imaginei que, na minha defesa, eu teria a oportunidade de ter uma professora de fora do país na minha banca de forma presencial, e quanto mais por videoconferência, numa qualidade tão boa quanto foi. Isso me deixou muito feliz e deu mais credibilidade ao meu trabalho”, ressaltou.

A mestranda teve sua tese aprovada.

INOVAÇÃO – A Rede Global de Aprendizagem para o Desenvolvimento (GDLN) é uma associação global de centros tecnológicos de aprendizagem que oferece o uso de avançadas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) para conectar pessoas que trabalham com a temática do desenvolvimento, em diversas partes do mundo.

Os centros GDLN permitem que organizações, equipes e indivíduos dos mais diversos países possam se comunicar e trocar conhecimentos, a partir de experiências mútuas, de forma eficaz e com custos reduzidos. O uso do sistema Infovia e das salas de videoconferência das Redes existentes no Brasil tem sido um dos fatores críticos para o nosso sucesso.

Localizada no CDT/UnB, a GDLN Brasil tem como missão criar parcerias e oportunidades para o diálogo e o compartilhamento de experiências sobre os desafios para o desenvolvimento, de maneira autossustentável, por meio da utilização de tecnologias modernas de comunicação, tais como videoconferência interativa, internet e satélite.

Para mais informações:
+55 (61) 3107-4137
gdlnbrazil@gdlnmail.org

Secretaria de Comunicação da UnB
Fonte Secretaria de Comunicação da UnB 31/03/2013 ás 8h

Compartilhe

Pesquisadora defende mestrado por videoconferência