Palestras ressaltam potencial energético dos oceanos

Fonte Ascom do FMC 17/04/2013 às 9h
O potencial energético dos oceanos foi um dos aspectos abordados na manhã desta terça-feira (16), segundo e último dia do 5º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial da Ciência. O professor Segen Farid Estefen falou sobre as fontes renováveis de energia, ao passo que o professor José Antônio Barbosa abordou a exploração petrolífera.

 

Estudioso das energias limpas, Estefen apresentou um relatório especial sobre as mudanças climáticas e energias renováveis, do qual participou. De acordo com o pesquisador, mesmo com o conhecimento das novas formas de energias renováveis, ainda é muito utilizada uma antiga, a queima de madeira. “A energia dos oceanos pode substituir o uso das energias fósseis, como o carvão e o petróleo. Defendemos que ela venha somar às formas de energia existentes”, ressaltou.

De acordo com ele, por conta de sua extensa costa, a América do Sul possui um grande potencial para a utilização das ondas na geração de energia limpa. Como exemplos, ele citou o aproveitamento das correntes de marés em diversna Europa, Coréia, Canadá, Japão, China, Nova Zelândia e América do Sul; as correntes oceânicas, utilizadas para suprir a demanda da Flórida, e a energia térmica das ondas, ainda pouco utilizada no Brasil por causa dos altos custos.

Em sua explanação, o professor Estefen apresentou um curta-metragem sobre a primeira usina de ondas da América Latina, localizada em Pecém, no Ceará.

Tecnologia petrolífera

José Antônio Barbosa, por sua vez, destacou que nos últimos 30 anos, enquanto o número de novas descobertas de campos de petróleo convencionais vêm diminuindo, a disponibilidade de novas tecnologias vem proporcionando outras possibilidades de exploração em reservatórios profundos e em regiões distantes. Isso poderá garantir um aporte imenso com relação à quantidade de reservas já conhecidas, disse o professor do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco (Ufpe).

Em sua palestra, o docente observou que o sistema clássico de extração de petróleo, quando o óleo jorrava de poços não muito profundos, deu lugar a técnicas avançadas de captura de óleos e gás.

“As novas tecnologias permitem chegarmos a grandes profundidades e atingirmos rochas com permeabilidade baixa, quebrando-as e conseguindo capturar óleos mais pesados e gás”, disse.

Segundo o palestrante, estudos mostram que o Brasil possui reservas não convencionais de petróleo duas a três vezes maiores que as do pré-sal.

 

 

Ascom do FMC
Fonte Ascom do FMC 17/04/2013 ás 9h

Compartilhe

Palestras ressaltam potencial energético dos oceanos