Pacientes com suspeita de dengue lotam postos de saúde no Rio

Fonte Agência Brasil 18/04/2013 às 10h

Rio de Janeiro – O grande número de pessoas com suspeita de dengue no município do Rio tem lotado os postos de saúde e unidades de Pronto-Atendimento (UPAs). O último boletim da Secretaria Municipal de Saúde, divulgado esta semana, apontou 28.527 casos suspeitos da doença até a segunda semana de abril. No ano, foram contabilizadas cinco mortes.

Embora os dados apontem uma tendência de queda nos casos, a maior parte dos pacientes ainda procura as unidades de saúde por causa da dengue. O ajudante de ourives José Roberto Lorena Ramos aguardava nesta quarta-feira (17) pacientemente por atendimento na UPA do Engenho Novo, sem saber exatamente qual era seu problema. “Eu estou com algum tipo de virose, tenho dor nas pernas e nos braços, mas não sei o que pode ser”, contou ele, que nunca teve dengue.

Mais preocupada estava a operadora de caixa Renata Maria Ramos, que levou o filho de 13 anos com febre alta. “Ele está com 39,6 graus [Celsius] de febre”, disse, mostrando o termômetro e pedindo para ser atendida com mais rapidez. Além da febre, o adolescente apresentava dores nos braços e nas pernas.

Os sinais mais comuns da dengue são febre, dores de cabeça, no corpo, nas articulações e por trás dos olhos.

A enorme quantidade de pessoas com sintomas da dengue nos postos acaba aumentando o tempo de espera por atendimento de pacientes com outros problemas. Na UPA do Engenho Novo, embora o painel indicasse tempo de espera média de uma hora e 53 minutos, quem estava no local contou que o prazo era muito maior. “Eu estou aqui faz mais de cinco horas”, relatou o pintor Ronaldo Cristóvão de Melo, que procurou a unidade devido a um ferimento no olho esquerdo.

No Posto de Saúde César Perneta, no Méier, também na zona norte, o quadro era parecido. Segundo a atendente, a maior parte das pessoas procura um médico com suspeita de dengue. Além da sala de espera na primeira triagem, o interior da unidade estava lotado, com dezenas de pessoas aguardando atendimento.

A transmissão da doença está concentrada, principalmente, nos bairros das zonas oeste e norte, onde vive a maior parte da população. A região tem muitos terrenos baldios e pouco saneamento básico. Na zona oeste, a região de Bangu registrou 2.752 casos este ano, seguida por Jacarepaguá (2.336), Realengo (1.479), Campo Grande (1.446) e Guaratiba (1.258).

Em seguida, no ranking anual, aparecem os bairros da zona norte, como a Tijuca, com 1.384 casos, o Méier (1.361), a Penha (1.360), Vila Isabel (1.226), Irajá (1.167) e a Ilha do Governador (1.013).Os bairros da zona sul aparecem em terceiro lugar na incidência da doença, liderados por Copacabana, com 1.247 casos, e por Botafogo (1.069).

Em todo o estado do Rio, o número de casos chegou a 107.168, com 12 mortes, segundo números também divulgados esta semana pela Secretaria Estadual de Saúde.

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 18/04/2013 ás 10h

Compartilhe

Pacientes com suspeita de dengue lotam postos de saúde no Rio