Organizações participam de mobilização pela saúde da mulher e redução da morte materna em todo Brasil

Fonte Agência Brasil 28/05/2012 às 15h
Redes e organizações da sociedade civil de diferentes estados brasileiros realizam durante todo o dia de hoje (28) a Mobilização pela Promoção dos Direitos das Mulheres e Redução da Morte Materna.

No Rio de Janeiro, integrantes da Rede Estadual de Jovens Vivendo e Convivendo com HIV/Aids utilizaram a internet para divulgar uma campanha nacional sobre o tema. No dia 16 de junho o grupo vai realizar a oficina Estamos Todos Juntos Pela Redução da Morte Materna. Para a facilitadora da Rede, Damiana Cristina Adão, apesar dos avanços nas políticas públicas e na redução de mortes de gestantes, cerca de 90% das mortes de mulheres grávidas são evitáveis, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Hoje, de 92 mulheres que engravidam, uma morre durante o parto, segundo o Ministério da Saúde e a maioria é jovem. Por isso, queremos dar um grito para que a atenção à saúde da mulher seja humanizada e não discriminatória, pois muitas mulheres não têm condições financeiras nem de se deslocar para um hospital”, ressaltou.

No terreiro Ilê Omolú e Oxum, em São João de Meriti, Baixada Fluminense, mulheres de diferentes religiões participam de uma oficina à tarde sobre os direitos das grávidas no Sistema Único de Saúde (SUS). “Muitas mulheres não sabem que têm direitos como, por exemplo, a de ter acompanhante no parto e no pós-parto, doze consultas e o direito à acessibilidade”, comentou a mãe Nilce de Iansan do Ilê Omolú e Oxum. “Por isso, nesse ponto de cultura e de promoção da saúde, todas as mulheres são bem-vindas para se informarem sobre seus direitos.”

A integrante da Rede Nacional de Regiões Afrobrasileiras e Saúde e do Grupo de Trabalho Mulheres de Axé, Vilma Piedade, explicou que o país já tem políticas nacionais que não são implementadas de forma efetiva. “Temos a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher e outra de Saúde da População Negra, mas é muito difícil implementá-las nos estados e municípios”, lamentou. “Não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. Essas mortes são típicas de países subdesenvolvidos e o Brasil não pode continuar a ter esse tipo de óbitos.”

Vilma lembrou que as mulheres negras são as maiores vítimas e que doenças como a anemia falciforme e o diabetes agravam o quadro, por afetarem principalmente a população negra.

Ainda no Rio, estudantes da Rede Lai Lai Apejo e do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ) distribuíram materiais da campanha pela redução da mortalidade materna na Estação de Metrô de São Cristóvão e realizaram uma roda de conversas sobre mortalidade materna na sede do Cefet.

As atividades da mobilização, que celebra hoje (28) a Luta Pela Saúde da Mulher e a Redução da Mortalidade Materna, estão agendadas para serem realizadas em todo o Brasil.

Idealizada em 2009 pelo Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa) e pela Prefeitura do Município de Salvador, com apoio do Ministério da Saúde, a mobilização vem ganhando adesões desde então.

Dados do relatório Tendências Sobre a Mortalidade Materna: 1990 a 2010, elaborado pela OMS, apontam que o país registrou uma redução de 51% nas mortes maternas, superior à média mundial (47%) e latino-americana (41%) para o período, mas ainda insuficiente para alcançar a meta do Objetivo de Desenvolvimento do Milênio que estabelece uma redução de 75% em relação aos dados de 1990.

Ainda segundo o relatório, a cada dois minutos uma mulher morre por complicações na gravidez. As quatro causas mais comuns de morte são hemorragias graves após o parto, infecções, hipertensão durante a gravidez e abortos inseguros, realizados em más condições. Noventa e nove por cento das mortes maternas ocorrem nos países em desenvolvimento.

 

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 28/05/2012 ás 15h

Compartilhe

Organizações participam de mobilização pela saúde da mulher e redução da morte materna em todo Brasil