Obama e Lula discutem agenda da cúpula do G20, diz Casa Branca

Fonte Ansa Flash 19/11/2009 às 0h
Os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, discutiram hoje por telefone a possível agenda da próxima cúpula do G20, que ocorre nos dias 24 e 25 de setembro na cidade norte-americana de Pittsburgh.

Em nota, a Casa Branca informou que os dois chefes de Estado conversaram "nesta manhã sobre assuntos de interesse mútuo e de preocupação para as Américas".

O chanceler brasileiro, Celso Amorim, havia informado que, durante um telefonema de 30 minutos, Lula pediu a Obama que se reúna com a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) para debater o acordo militar que os Estados Unidos negociam com a Colômbia.

"Lula reiterou nossas posições, mostrou que existem grandes sensibilidades na região, e que não é apenas uma questão de um ou outro país, é uma sensibilidade nossa também, devido à proximidade da Amazônia", disse o ministro.

Ambos também falaram do golpe de Estado em Honduras, que tirou do poder o presidente Manuel Zelaya, em 28 de junho.

Sobre este tema, de acordo com Amorim, Obama informou que, após a visita que a missão de chanceleres da Organização dos Estados Americanos (OEA) fará ao país, ele e Lula avaliarão de maneira conjunta as próximas medidas a serem tomadas.

Em seu comunicado, a Casa Branca afirma que o presidente norte-americano expressou "seu desejo de trabalhar em uma sociedade construtiva com o Brasil e outros no Hemisfério para promover o avanço da democracia, da segurança e da prosperidade para os povos das Américas".

Por fim, a nota diz que Obama espera "ver o presidente Lula no próximo mês na cúpula do G20, em Pittsburgh, e seguir fortalecendo nossa relação com o Brasil".

Há duas semanas, quando recebeu em Brasília o presidente deposto de Honduras, Lula se comprometera a falar com Obama para discutir iniciativas que pudessem reverter o golpe de Estado.
Ansa Flash
Fonte Ansa Flash 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Obama e Lula discutem agenda da cúpula do G20, diz Casa Branca