O resgate da memória olímpica brasileira

Fonte Comunicação – Instituto de Políticas Relacionais 13/05/2013 às 12h

Da história da primeira medalha do Brasil nos Jogos, em 1920, ao refugo de Baloubet, Projeto Memória do Esporte Olímpico chega à sua terceira edição para relembrar os grandes esportistas olímpicos brasileiros.

 

São Paulo, maio de 2013 – O projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro lançará este ano a sua terceira edição. A seleção pública é aberta a qualquer produtora de vídeo do Brasil e contempla nove documentários, com R$ 230 mil cada um. No total, serão mais de R$ 2 milhões em recursos, que vão contribuir para formar uma memória audiovisual da história do Brasil nas Olimpíadas. O projeto integra o Programa Petrobras Esporte & Cidadania e tem o apoio da ESPN Brasil, Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura e Cinemateca Brasileira.

Segundo Daniela Greeb, presidente do Instituto de Políticas Relacionais (IPR), entidade que está à frente do projeto, “o resgate da história dos esportistas brasileiros que fizeram história nas Olimpíadas é fundamental para que o Brasil passe a ter uma memória. São exemplos de dedicação, superação e sucesso que nosso País não pode esquecer.” O projeto já tem sua realização garantida, pelo menos, até as Olimpíadas de 2016, que serão realizadas no Rio de Janeiro. “A grande vitória do esporte brasileiro não está nas medalhas, mas também em resgatar a história dos seus heróis olímpicos”, afirma o jornalista José Trajano, também um dos idealizadores do projeto.

Mostras e Exibições

O projeto Memória do Esporte Olímpico Brasileiro percorreu de salas de cinema à grades de programação das emissoras de televisão: ESPN e Rede Record. O Cine Olido, o Cinema Reserva Cultural e todos os CEUs de São Paulo tiveram mostras com grande aceitação do público. A proposta para a terceira edição é que seja ampliado o alcance destas mostras. “Temos uma grande oportunidade de contar a história dos heróis brasileiros, mesmo que não sejam medalhistas. O projeto vai contar para novas gerações a história de grandes brasileiros que estão na estrada olímpica. Isso sim é uma oportunidade de ouro”, finaliza José Trajano. Essa necessidade fica ainda mais evidente às vésperas de o Brasil receber os dois principais eventos do esporte mundial, a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas, em 2016.

Edital 2012

Os vencedores do último edital trarão este ano belas histórias de várias modalidades, inclusive paraolímpica. Entre eles estão diretores de renome como Cacá Diegues e Silvio Tendler. Estão sendo finalizados curtas sobre: a corredora cega Terezinha Guilhermina, o triplista Manoel dos Santos, o ciclista Anésio Argenton, o nadador Manoel dos Santos, o judoca Rogério Sampaio, o conjunto formado por Rodrigo Pessoa e Baloubet du Rouet, basquete e vôlei masculino e, finalmente, os Jogos Olímpicos de Moscou (1980). Além dos nove curta-metragem, teremos Laís Bodanzky dirigindo o longa-metragem: “Mulheres Olímpicas”. O lançamento dos filmes e do edital 2013 será no segundo semestre deste ano.

Novo Edital

Nesse terceiro ano, mais uma vez as inscrições serão feitas online, por meio do site do projeto (www.memoriadoesporte.org.br), com data a ser definida. A concorrência contará com duas etapas de seleção. Na primeira, serão analisadas as propostas conforme sua relevância e aderência ao edital. Na segunda fase, os classificados concorrerão entre si em um pitching (defesa oral), feito para uma banca de profissionais que definirá os nove finalistas. Os selecionados participam ainda do Encontro Esporte, Cultura e Memória, que reúne especialistas de cada área para debates que contribuem para a produção de cada filme. O encontro é transmitido ao vivo pela internet.

Mais informações :

www.memoriadoesporte.org.br

comunicacao@relacionais.org.br

 

Lista dos filmes produzidos pelo segundo edital:
“No Meio do Caminho Tinha um Obstáculo”, de Cacá Diegues.
“O Brasil na terra do Misha”, de Silvio Tendler.
"Mulheres Olímpicas", de Laís Bodanzky.
“A Valsa do Pódio”, de Daniel Hanai e Bruno Carneiro.
“IPPON – A Superação Olímpica de Rogério Sampaio”, de Cavi Borges.
“55s’4 – A VIRADA”, de Ricardo Dias.
“A Volta ao mundo de Anésio Argenton”, de Fernando Acquarone e Marcelo Paiva
3 Pontos: o basquete, o rap e o jejum”, de Rafael Terpins.
“Viagem – O saque que mudou o vôlei”, de Giuliano Zanelato.
“Um homem que voa: Nelson Prudêncio”, de Maurílio Martins e Adirley Queiró
 
Comunicação – Instituto de Políticas Relacionais
Fonte Comunicação – Instituto de Políticas Relacionais 13/05/2013 ás 12h

Compartilhe

O resgate da memória olímpica brasileira