O café no centro das discussões

Fonte Imprensa Unicamp 24/05/2013 às 15h

O café no centro das discussões

As dimensões científica, social, cultural, econômica e gastronômica do café estarão sendo discutidas na sexta edição do Campinas Café Festival, cuja abertura ocorreu na noite desta quarta-feira (22), no auditório do Instituto Agronômico de Campinas (IAC). Nesta quinta-feira, será realizado um seminário técnico-científico, no próprio IAC. O evento será encerrado na sexta-feira, Dia Nacional do Café, com um espetáculo litero-cultural na Praça Rui Barbosa, no Centro de Campinas, seguido de uma degustação da bebida. O Festival é idealizado pelo Instituto Jerusalém do Brasil, em parceria com a Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Preac) da Unicamp.

Presente à abertura do evento, o reitor José Tadeu Jorge considerou que o apoio da Unicamp ao Festival é natural. Ele lembrou que o alimento é uma riqueza de Campinas, de São Paulo e do país, tendo contribuído de forma decisiva para o desenvolvimento brasileiro. “Além disso, a Universidade desenvolve diversas pesquisas sobre café, seja em relação à produção no campo, seja em relação à industrialização. Participar de uma iniciativa como esta reafirma a missão da Unicamp de contribuir para a disseminação do conhecimento”, afirmou.

O secretário de Cultura de Campinas, Ney Carrasco, disse que o apoio institucional da Prefeitura à organização do Festival é justificado pelo café ser um patrimônio imaterial de Campinas. “O café ajudou a desenvolver a cidade economicamente. Além disso, os imigrantes que vieram trabalhar nas lavouras trouxeram importantes influências para a nossa cultura”, ponderou.

Ali El-Khatib, superintendente do Instituto Jerusalém do Brasil, avaliou como extremamente positiva a união de diversas entidades em torno do objetivo de divulgar os variados aspectos relacionados ao café, valorizando consequentemente toda a sua cadeia produtiva. “A Unicamp participa desse esforço desde a primeira edição do Festival. O reitor Tadeu Jorge é um grande entusiasta desse trabalho. Não por outra razão, quando foi secretário de Educação de Campinas, ele introduziu o café na merenda escolar, por entender que se trata de um alimento importante também para as crianças”.

ConsumoDe acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), no período compreendido entre novembro de 2011 e outubro de 2012 foi registrado o consumo de 20,33 milhões de sacas de café no país, o que representa um crescimento de 3,09% em relação ao período anterior (novembro de 2010 a outubro de 2001), quando foram consumidas 19,72 milhões de sacas. Quanto ao consumo per capita anual, ele alcançou 6,23 kg de café em grão cru ou de 4,98 kg de café torrado, quantidade suficiente para preparar 83 litros da bebida.

Imprensa Unicamp
Fonte Imprensa Unicamp 24/05/2013 ás 15h

Compartilhe

O café no centro das discussões