Número de atendimentos na quimioterapia cresce 50%

Fonte Secretaria de Comunicação da UnB 17/08/2014 às 14h
Melhorias físicas e aumento do quadro funcional permitiram ampliar número de pacientes tratados.

Ajustes no funcionamento do Centro de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon) e na Farmácia Hospitalar do Hospital Universitário de Brasília (HUB) ampliaram em 50% o número de sessões de quimioterapia realizadas na instituição. A quantidade de pacientes atendidos diariamente passou para 30, dez a mais em comparação com os meses anteriores.

O aumento foi possível graças a uma mudança na forma de trabalho do Cacon. Agora, a equipe confirma o atendimento com o paciente no dia anterior à realização do procedimento e repassa as informações de cada paciente confirmado para a Farmácia Hospitalar, responsável pela manipulação dos medicamentos que serão usados durante a quimioterapia.

“No dia do atendimento, toda a medicação já está preparada para iniciar a maior parte das sessões agendadas. Com essa medida, diminuímos o tempo de permanência do paciente no hospital e qualificamos a assistência”, conta Carolina de Souza Custódio, chefe de enfermagem do Cacon.

Ela explica que antes o pedido de medicação à farmácia era feito somente após a chegada do paciente ao HUB, o que prolongava o tempo de espera. O adiantamento da medicação de quimioterapia só não é realizado quando ocorre alguma intercorrência, como efeito colateral não esperado, ou se o paciente apresentar exame de sangue que deva ser previamente avaliado.

Além da mudança de procedimento, a convocação de aprovados em concurso público é outro fator que contribuiu para o aumento de sessões de quimioterapia. Segundo Carolina, o setor recebeu duas enfermeiras e um técnico em enfermagem, mas a expectativa é reforçar ainda mais o quadro de funcionários. “Com a chegada de mais profissionais, teremos condições de expandir o atendimento para 40 pacientes por dia”, afirma.

Francisco José Galeno Junior, farmacêutico da área de manipulação de medicamentos quimioterápicos do HUB, relata que foram necessários ajustes nos procedimentos de trabalho para atender a nova demanda do Cacon. “Nosso objetivo é adiantar as manipulações para atender a maior quantidade possível de pacientes no dia seguinte”, declara. Segundo ele, das 25 preparações diárias realizadas pelo setor, em torno de 15 são para o Cacon. Cada manipulação leva em média cinco minutos para ser finalizada.

Para Hervaldo Sampaio Carvalho, superintendente do HUB, a ampliação do atendimento reflete a mudança na gestão do hospital. “Inovar é um dos preceitos de uma administração moderna, como recomenda a administração da Ebserh [empresa pública que administra o HUB]. Podemos fazer mais e melhor apenas mudando processos e tendo criatividade para fazer diferente”, diz.

Secretaria de Comunicação da UnB
Fonte Secretaria de Comunicação da UnB 17/08/2014 ás 14h

Compartilhe

Número de atendimentos na quimioterapia cresce 50%