Mutirão de voluntários recupera Caminho do Ouro

Fonte Comunicação ICMBio 19/04/2013 às 9h

Mutirão de voluntários recupera Caminho do Ouro

ouroBrasília  – O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) acaba de realizar mais uma etapa de melhoria das trilhas do projeto “Caminhos da Serra do Mar”, lançado pelo Parque Nacional da Serra dos Órgãos em novembro do ano passado. Cerca de 20 integrantes do programa de voluntariado do parque ajudaram a recuperar o trecho do Caminho do Ouro, trilha colonial construída em 1724 e variante da Estrada Real, que deu origem a Petrópolis e é conhecida como Atalho do Proença. Eles coletaram lixo, principalmente no início da trilha, retiraram árvores caídas nos últimos temporais e fizeram a pintura da sinalização rústica em todo o trajeto de seis quilômetros.

O Caminho do Ouro tem início em Magé, na estação da Vila Inhomirim, e termina no bairro Alto da Serra, em Petrópolis. Principalmente nos primeiros quilômetros, onde ainda existem algumas residências, destacam-se o calçamento com pedras trabalhadas e colocadas pelos escravos de Bernardo Soares de Proença, rico fazendeiro que trazia ouro de Minas para o Rio de Janeiro, passando por Magé (RJ).

A cada quilômetro percorrido morro acima, terra e vegetação cobrem com mais intensidade as pedras arrumadas na subida íngreme, que datam de 1700. Em muitos trechos, foi necessária a poda de arbustos, utilização de enxadas e até motosserras para cortar grandes árvores. “Esse é mais um importante trabalho para a melhoria das trilhas que compõem os Caminhos da Serra do Mar e não seria possível realizá-lo sem a participação dos voluntários”, destacou o chefe do Parque da Serra dos Órgãos, Leandro Goulart.

História

Segundo conta a história, no passado esse caminho abrigou escravos, deu passagem a comitivas reais e teria sido palco de algumas “aventuras” de Dom Pedro I. Ao lado do que hoje é uma trilha avista-se as bases de um antigo aqueduto, que foram limpas pelos voluntários e que ajudam a contar a história de um caminho tão importante para a região. No final da caminhada, os participantes foram premiados com a vista da bonita ponte em arcos chamada Grota Funda.

“Até 1700 o ouro era trazido das Minas Gerais pelo longo caminho que passava por Paraty. Por volta dessa época foi aberto o Caminho Novo, que ligava a região do ouro diretamente ao Rio de Janeiro, vencendo a Serra do Mar na altura de Xerém. Como esse caminho subia a Serra num trecho bastante íngreme e acidentado, foi encomendado ao fazendeiro Bernardo Proença, que morava na região conhecida hoje como Raiz da Serra, abrir um novo caminho. Esse caminho, aberto em 1723, ficou conhecido com o Atalho do Proença”, relata o montanhista Waldyr Neto.

O projeto

O projeto “Caminhos da Serra do Mar” é uma trilha de longo curso, que percorrerá diversos municípios e cortará algumas unidades de conservação do Mosaico da Mata Atlântica Central Fluminense. Entre os ambientes visitados durante todo o percurso têm destaque os diversos ecossistemas associados ao bioma Mata Atlântica, como mata de encosta e campos de altitude, além de paredões rochosos, picos, poços e cachoeiras.

O principal objetivo de abertura desta trilha é favorecer a conservação ambiental na Serra do Mar, por meio da integração de diversas unidades do mosaico, fazendo do uso público ordenado uma estratégia de conservação para essas áreas protegidas. Além disso, essas trilhas serão um espaço para a prática de montanhismo, caminhadas, contemplação, recreação e lazer.

No núcleo I do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, o caminho inicia no município de Magé, passa por Petrópolis e termina na sede da UC em Teresópolis. São aproximadamente 60 quilômetros de caminhada com um desnível de 2.000 metros, percorrendo as trilhas Caminhos do Ouro, Cobiçado Ventania, Uricanal e a famosa travessia Petrópolis Teresópolis.

A Uricanal é estratégica para a ligação desse primeiro núcleo, pois faz a ligação entre os bairros do Caxambu e Bonfim, onde fica a sede Petrópolis do Parque da Serra dos Órgãos e tem inicio a travessia. Tradicionalmente utilizada por excursionistas de Petrópolis, a Uricanal foi reaberta especialmente para o projeto.

A principal característica é a presença quase que permanentemente do rio, que forma poços e pequenas cachoeiras, ótimos pontos para um banho e descanso. Além disso, o caminhante tem a opção de conhecer um lindo bosque de pinheiros centenários, conhecidos como “pinheirinhos”. Quase no final do caminho, uma excelente vista para o Vale do Bonfim, destacando-se as montanhas do Mamute, Morro da Reunião, Cubaio e Cones. À esquerda do caminhante, avista-se bem perto o Alcobaça, montanha símbolo de Petrópolis.

O segundo núcleo dos Caminhos da Serra do Mar ficará no Parque Estadual dos Três Picos, saindo da futura sede Teresópolis e terminando em Nova Friburgo, passando pela Floresta do Jacarandá e pela localidade de Salinas.

Serviço:

Saiba mais sobre o projeto no site do Parque Nacional da Serra dos Órgãos e na página do facebook do Projeto Serra do Mar.

Comunicação ICMBio
Fonte Comunicação ICMBio 19/04/2013 ás 9h

Compartilhe

Mutirão de voluntários recupera Caminho do Ouro