Monografia de aluno da Pedagogia vence Prêmio Palmares 2012

Fonte Secretaria de Comunicação da UnB 27/03/2013 às 11h

Monografia de aluno da Pedagogia vence Prêmio Palmares 2012

O estudante Almir Lopes de Castro ficou em 1º lugar no concurso com trabalho de conclusão de curso sobre as relações étnicas e raciais na Educação para Jovens e Adultos.

 

O estudante Almir Lopes de Castro, do curso de Pedagogia da Universidade de Brasília, viu na prática a falta de identificação dos alunos com a história “oficial” aprendida na escola. Juscelino Kubitschek, Oscar Niemeyer, Lúcio Costa e outros grandes nomes da concepção, construção e história de Brasília pareciam distantes da realidade dos estudantes de uma turma de Educação de Jovens e Adultos (EJA) de uma escola pública do Distrito Federal, em sua maioria, formada por negros e mulheres de baixa renda. A partir dessa constatação, Almir resolveu mostrar a eles o ponto de vista dos trabalhadores que construíram Brasília, envolvendo os alunos em um debate sobre relações raciais e cidadania.

A experiência resultou na monografia de conclusão do curso intitulada "Ensino de História e Políticas Públicas: interfaces necessárias entre a Educação de Jovens e Adultos e relações raciais", que conquistou o primeiro lugar no Prêmio Palmares 2012. O resultado da seleção foi divulgado no dia 15 de março. Em sua segunda edição, a premiação organizada pelo Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra (CNIRC) da Fundação Cultural Palmares selecionou 120 trabalhos, dos quais 13 foram premiados. O objetivo do concurso é reconhecer as melhores monografias de conclusão de graduação, dissertações de mestrado e teses de doutorado que abordem a cultura afro-brasileira, comunidades tradicionais ou cultura afro-latina.

Para realizar a pesquisa, Almir passou um semestre fazendo observações sobre a forma com que a construção de Brasília era abordada pelos professores de história em sala de aula. Ele notou, então, que os educadores não faziam uma conexão entre a população negra e os candangos. “O material didático também não favorecia”, conta. Nesse período, Almir também realizou entrevistas com professores, coordenadores e diretores da escola.

Nos dois semestres seguintes, Almir reuniu alunos da turma de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e estimulou uma discussão a partir da exibição do filme Conterrâneos velhos de guerra, do cineasta Vladimir Carvalho, professor emérito da UnB. O documentário retrata a história dos candangos, como ficaram conhecidos os operários que trabalharam na construção da capital federal, a partir do ponto de vista dos próprios trabalhadores, mostrando imagens reais e os percursos individuais. “Pedi, então, que os alunos comparassem aquela história com o que eles tinham estudado nos livros”, diz Almir. “O choque de informação foi brutal”, conta.

“Chegaram a me perguntar qual era a história verdadeira: a que estava nos livros ou a do documentário. Expliquei que existem vários olhares sobre a história. Os livros mostram os grandes heróis, como Juscelino, mas temos também o ponto de vista dos trabalhadores, dos negros”, concluiu Almir. Os alunos também foram estimulados a compartilhar suas próprias histórias, desde a chegada de seus antepassados à capital federal e do início dos assentamentos que deram origem às cidades do Distrito Federal. O pesquisador também mostrou aos alunos um paralelo entre a trajetória dos candangos e a diáspora negra que, segundo ele, resultam em uma dinâmica de discriminação e exclusão.

A pesquisa teve orientação da professora Renísia Cristina Garcia Filice e é fruto de discussões do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas, História, Educação das Relações Raciais e Gênero (GEPPHERG/UnB). “Percebemos que os cursos de história não estão fazendo vinculação entre historia da África, cultura afro-brasileira e relações raciais, conforme prevê a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional”, afirma a professora Renísia, coordenadora do grupo. “A pesquisa do Almir tem um diferencial porque não apenas problematiza a questão, mas propõe uma intervenção nessa realidade”, explica.

Foto: Emília Silberstein/UnB Agência

Secretaria de Comunicação da UnB
Fonte Secretaria de Comunicação da UnB 27/03/2013 ás 11h

Compartilhe

Monografia de aluno da Pedagogia vence Prêmio Palmares 2012