Ministro defende política de Berlusconi na luta contra a máfia

Fonte Ansa Flash. 19/11/2009 às 0h
O ministro do Interior da Itália, Roberto Maroni, disse hoje que "não houve temporada mais feliz na luta contra a máfia" do que a atual, ao comentar os recentes resultados das operações contra os clãs mafiosos do país.

Maroni -- que falou sobre o tema na inauguração da nova sede da Polícia Judiciária da Procuradoria de Trani, sul da Itália -- afirmou que desde o início do governo do premier Silvio Berlusconi, em média oito mafiosos foram apresentados diariamente à Justiça, e que a lista dos 100 maiores fugitivos foi reduzida à metade.

Ainda de acordo com o ministro, nos últimos 17 meses foram apreendidos dez mil bens estimados em cerca de 5,3 bilhões de euros -- um crescimento de 52% em relação ao governo anterior.

"Até 30 de junho deste ano foram confiscados 8.933 bens móveis e imóveis, dos quais 46% na Sicília, 15% na Campânia, 14% na Calábria e 8% em Puglia", explicou.

"Tirar o dinheiro, os bens que são fruto das ações da máfia, significa dar golpes duríssimos, demonstrar que o crime não compensa, significa vencer a guerra contra o crime organizado", declarou.

"Recuperamos 700 milhões de euros em dinheiro que no início do próximo ano estarão à disposição das forças de ordem e magistratura", continuou Maroni referindo-se ao fundo anunciado há alguns meses pelo governo italiano, que seria composto de bens apreendidos e destinados a ações da Polícia contra a máfia.

Além de dinheiro, móveis e imóveis, 1.185 empresas de vários setores foram confiscadas durante as operações. Dos bens retidos pela polícia, 86% foram direcionadas às autoridades locais para fins sociais.

Também hoje, em meio às declarações de Maroni, foram presas dez pessoas pertencentes à família Melodia, clã da área de Alcamo, na Sicília. Elas são acusadas de associação com a máfia, extorsão, incêndios propositais, corrupção, posse ilegal de armas e explosivos e receptação.
Ansa Flash.
Fonte Ansa Flash. 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Ministro defende política de Berlusconi na luta contra a máfia