Ministério Público da Guatemala quer que ex-presidente do país seja condenado a 75 anos de prisão

Fonte Agência Brasil* 10/05/2013 às 10h

Brasília - O Ministério Público da Guatemala reiterou à Justiça Nacional o pedido de condenação para um total de 75 anos de prisão, somando todos os crimes, do ex-presidente do país José Efraín Ríos Montt, de 86 anos, e o ex-chefe do serviço de inteligência José Rodríguez. Ambos são acusados de responsabilidade em genocídios e crimes de guerra cometidos contra 1.771 indígenas da etnia Ixil, no período que estiveram no poder, entre 1982 e 1983.

O procurador Orlando López destacou o pedido foi feito com base nas provas apresentadas e no Código Penal do país. O Ministério Público solicitou ainda penas de reabilitação social para ambos, como a revogação da prisão domiciliar do ex-presidente.

López lembrou que Ríos Montt, quando presidente, foi também comandante-geral do Exército e ministro da Defesa. "O Exército matou oito vezes mai indígenas do que em outros tempos. O Exército da Guatemala cometeu genocídio em uma área da etnia Ixil. Os crimes foram cometidos porque eles [os indígenas] foram considerados inimigos internos", disse.

O processo de Ríos Montt e Rodríguez envolve 98 testemunhas. Ambos são acusados da morte de 1.771 indígenas da etnia Ixil, dos quais 38% eram crianças e adolescentes, na região de Quiché, no período de 1982 e 1983. O julgamento do caso já foi adiado várias vezes.

*Com informações da emissora multiestatal de televisão, Telesur.

Agência Brasil*
Fonte Agência Brasil* 10/05/2013 ás 10h

Compartilhe

Ministério Público da Guatemala quer que ex-presidente do país seja condenado a 75 anos de prisão