Mesmo com queda da demanda industrial, consumo de energia elétrica cresce 2,5%

Fonte Agência Brasil 25/04/2013 às 20h

Rio de Janeiro – O consumo de energia elétrica no país cresceu 2,5% de janeiro a março deste ano, na comparação com o primeiro trimestre de 2012, apesar da queda de 2,4% do consumo industrial. Os dados foram divulgados hoje (25) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Em março, o consumo total caiu 0,5%. Em 12 meses, houve aumento de 3,2%.

O crescimento do consumo de eletricidade no primeiro trimestre reflete expansão de 6,6% do consumo residencial. De acordo com a EPE, o aumento é devido ao maior uso de equipamentos eletrodomésticos, principalmente no Nordeste. Como exemplo, o boletim da EPE cita a expansão do uso de aparelhos de ar condicionado na região, “que cresce em ritmo intenso” e chega a 17% dos domicílios.

No mesmo período, o segmento de comércio e serviços também contribuiu para o aumento de mais de 6% do consumo, puxado, segundo a EPE, pelo “emblemática expansão da área de vendas de shopping centers”. O maior aumento foi registrado no Sudeste, “disseminado por todos estados”.

Já a queda do consumo no setor industrial está ligada à “inconstância dos indicadores da produção" e à diminuição da demanda dos setores eletrointensivos (setores em que o custo da energia é um dos principais componentes do preço final do produto), que é fruto da diminuição no preço das commodities metálicas no mercado internacional. Com maior peso no cálculo do consumo industrial, a maior queda de demanda ocorreu no Sudeste, de 2,7%.

Edição: Nádia Franco

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil

A Agência Brasil está passando por picos de instabilidade e, por isso, alguns serviços estão indisponíveis. Pedimos desculpas pelo transtorno

Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 25/04/2013 ás 20h

Compartilhe

Mesmo com queda da demanda industrial, consumo de energia elétrica cresce 2,5%