Mercadante deve deixar liderança do PT depois de decisões sobre Sarney

Fonte Agência Brasil 19/11/2009 às 0h
 O líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), deve deixar o cargo em decorrência da decisão do partido em arquivar a abertura de investigação pelo Conselho de Ética contra o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), o que contrariou decisão tomada pela bancada petista. A informação é do senador Flávio Arns (PT-PR) que deixa a legenda nos próximos dias pelo mesmo motivo.

O parlamentar disse que Mercadante lhe comunicou a decisão de deixar a liderança numa conversa que teve, hoje (20) pela manhã, por telefone. O paranaense procurou o líder do PT para explicar sua decisão de deixar o partido. Segundo ele, Aloizio Mercadante teria dito que também não concorda com a decisão partidária e, por isso, deixaria o cargo de líder no Senado.

“O senador me disse que está deixando a liderança e vai conversar com a militância por não concordar com os rumos tomados pelo partido”, disse Arns. Ele acrescentou que o líder petista mantém a postura de discutir dentro do PT as divergências existentes.

Antes de oficializar a saída do Partido dos Trabalhadores, o senador paranaense vai consultar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na próxima semana, para saber se no seu caso específico caberia a cobrança de seu mandato por infidelidade partidária.

Flávio Arns defende que no caso específico do arquivamento das denúncias contra José Sarney, o que motivou sua decisão anunciada ontem (19), não teria se configurado infidelidade ao PT. “Ao contrário, quem foi infiel neste caso foi o partido que contrariou uma decisão formalizada pela bancada”, defendeu.

Sobre seu destino político, o ainda petista disse que este é um assunto para ser avaliado numa segunda etapa. Ele considera prematura qualquer iniciativa de buscar nova legenda neste momento antes de deixar definitivamente o PT, decisão que, de acordo com Arns, não tem volta.
Agência Brasil
Fonte Agência Brasil 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Mercadante deve deixar liderança do PT depois de decisões sobre Sarney