Mais segurança aos pacientes

Fonte Imagem Corporativa 22/04/2013 às 8h

Hospitais de Brasília adotam protocolos para reduzir acidentes e riscos adversos nos pacientes

Com objetivo de prevenir e reduzir incidentes que resultam em danos aos pacientes nos serviços de saúde o Ministério da Saúde lançou na primeira semana abril o Programa Nacional de Segurança do Paciente. O programa contribuirá para a identificação e a investigação das causas de eventos adversos. As ações devem funcionar para que os cuidados com as pessoas dentro dos hospitais sejam avaliados constantemente.

Em fase inicial de regulamentação no governo, a estratégia já está sendo adotada no Hospital Santa Luzia e Hospital do Coração do Brasil, ambos controlados pela Rede D´Or São Luiz, em Brasília. Três políticas de assistência hospitalar entraram em funcionamento desde o início de abril, são elas: identificação do paciente, prevenção de quedas; e alergia. As normas visam manter a segurança do paciente, durante toda sua estadia no hospital. Desde a entrada até a saída, o paciente passará por múltiplas checagens dos protocolos. Segundo a diretora da unidade, Dra. Gabriela Miquelino, em cada etapa do atendimento, o paciente terá os protocolos checados, para evitar eventos adversos.

Para isso, os dois hospitais realizaram treinamento e qualificação dos seus funcionários. O novo sistema faz parte também de uma conquista inédita para o Distrito Federal. “O Hospital Santa Luzia e o Hospital do Coração do Brasil estão alinhados com os mais rígidos padrões internacionais”, explica Miquelino. “Estamos focados em conseguir um padrão de qualidade internacional”, completou.

“A metodologia para alcançar o padrão de qualificação internacional exige o comprometimento de todo o corpo funcional, o que garante alta performance e segurança aos pacientes, ressaltando a importância do acolhimento para a saúde”, comenta Gabriela. “O que estamos trazendo para o Distrito Federal é a fronteira da qualidade de atendimento e assistência à saúde hospitalar”, completa.

De acordo com o programa, cada paciente receberá, após uma triagem inicial, um crachá, que irá identifica-lo com seu nome completo, idade, registro de atendimento (número e código de barras) e filiação. A identificação também é feita por meio de cores. O procedimento foi adotado para ampliar a segurança, a precisão e a agilidade no atendimento. São duas cores utilizadas: vermelha e amarela, que identificam o paciente alérgico e os que possuem risco de queda, respectivamente.

O paciente, ao dar entrada nos hospitais, passa por uma triagem onde é identificada a existência de alergia. Já as quedas são comuns em pacientes que estão com sintomas de desorientação, lesões ortopédicas, idosos, entre outros. Uma queda pode agravar substancialmente o estado de saúde do paciente. Pensando nisso, esse protocolo orienta os funcionários que aquele paciente tem que ser acompanhado constantemente.

A expectativa é que essa metodologia promova uma redução significativa no padrão de assistência à saúde nos hospitais em dois anos. Segundo Gabriela, isso possibilitará maiores investimentos no setor pela Rede D´Or São Luiz. “Para implantação do sistema foram feitos investimentos em todos os setores, que vão desde a qualificação profissional até a incorporação de novas tecnologias”, ressalta. “O Distrito Federal tem um potencial humano incrível e a população deseja novos serviços para a saúde”, completa Gabriela.

Imagem Corporativa
Fonte Imagem Corporativa 22/04/2013 ás 8h

Compartilhe

Mais segurança aos pacientes