Justiça Eleitoral em Honduras diz que população poderá votar com tranquilidade

Fonte Agência Brasil. 19/11/2009 às 0h
Nem o governo de fato de Roberto Micheletti, em Honduras, nem os líderes da resistência do presidente deposto Manuel Zelaya deram mais informações, nessa terça-feira (17), sobre a saída do padre salvadorenho Andress Tamayo da embaixada brasileira.

Tamayo, que deixou, no fim da tarde de segunda-feira (16) a Embaixada do Brasil  - onde estava desde 21 de setembro acompanhando Zelaya - acabou se transformando em guia espiritual da resistência.  Assessores do presidente deposto disseram, segunda-feira (16), que o religioso saiu para acompanhar uma irmã que está muito doente em San Salvador e foi direto para a embaixada do país em Tegucigalpa.

O cônsul de El Salvador, que acompanhou a saída de Tamayo da embaixada brasileira, se comprometeu com o governo Micheletti de retirar o padre de Honduras até hoje (18).

A menos de duas semanas para as eleições, a Justiça Eleitoral considera que tudo está preparado para que a população possa ir às urnas com tranquilidade.

O juiz Ortez Sequeira disse à Agência Brasil que o boicote defendido pela resistência preocupa, mas que acredita na coragem do povo hondurenho, que não vai se intimidar com as ameaças.

Para garantir a tranquilidade, o tribunal já pediu que as Forças Armadas e a Polícia Nacional reforcem a segurança. Todos os centros eleitorais têm forte vigilância dia e noite.
Agência Brasil.
Fonte Agência Brasil. 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Justiça Eleitoral em Honduras diz que população poderá votar com tranquilidade