Italianos prestam homenagem a militares mortos no Afeganistão

Fonte Ansa Flash 19/11/2009 às 0h
Autoridades e políticos italianos visitaram hoje o sacrário montado dentro da sede do Estado-Maior das Forças Armadas do país, em Roma, para homenagear os seis militares italianos mortos ontem no Afeganistão em um atentado com carro-bomba.

"Nenhuma palavra é suficiente. Somente a proximidade total e interior pode testemunhar a grande dor que provo, com orgulho de sentir, graças a vocês, italianos", escreveu o ministro da Defesa, Ignazio La Russa, no livro de honra do local.

O presidente da Câmara dos Deputados da Itália, Gianfranco Fini, por sua vez, escreveu um recado ressaltando a "comoção" e a "gratidão por um sacrifício em nome da liberdade dos povos, que mostra mais uma vez a dedicação das nossas Forças Armadas aos valores da democracia".

Já o presidente do Senado, Renato Schifani, agradeceu aos "nossos heróis, mortos pela liberdade e pela segurança no mundo" e que "permanecerão sempre no coração de todos os italianos".

Ao lado do chefe de Estado-Maior do Exército, Giuseppe Valotto, e do subsecretário da Defesa, Guido Crosetto, Schifani permaneceu por alguns minutos diante das fotos dos seis militares.

O local está sendo visitado também pela população, que deixa mensagens do tipo "vocês todos são nossos filhos".

O vice-presidente da Comissão Europeia (braço executivo da União Europeia), Antonio Tajani, anunciou que irá ao sacrário amanhã para prestar sua homenagem às vítimas.

Reivindicado pelo grupo extremista islâmico Taliban, o ataque foi realizado com um carro que carregava ao menos 150 quilos de explosivos, de acordo com informações do governo italiano. Além dos italianos, pelo menos 15 pessoas morreram e 60 ficaram feridas.

Atualmente, a Itália possui 2.800 militares no Afeganistão. Desde o início da missão no país ocupado, em 2004, 21 soldados italianos morreram devido a atentados, doenças ou outros incidentes.
Ansa Flash
Fonte Ansa Flash 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Italianos prestam homenagem a militares mortos no Afeganistão