Itália pede à população que evite "métodos alternativos" de prevenção à gripe A

Fonte Ansa Flash. 19/11/2009 às 0h
Após a confirmação de 17 mortes causadas pela gripe A (H1N1) na Itália, entidades e autoridades do país passaram a emitir uma série de alertas para pedir à população que evite recorrer a "soluções alternativas" como forma de tentar se proteger da doença.

Em nota, a Associação para os Direitos dos Usuários e Consumidores da Itália (Aduc) orientou as pessoas a não comprarem nenhum tipo de produto que prometa prevenir, mitigar, tratar ou curar o vírus causador da enfermidade.

O órgão norte-americano Food and Drugs Administration (FDA) informou que vários artigos, como um xampu protetor, um spray que mata o vírus, testes de diagnóstico e instrumentos eletrônicos para reforçar o sistema imunológico são vendidos pela internet.

"Trata-se de produtos ou tratamentos ilegais, que embora sejam oferecidos como verdadeiros remédios, são perigosos para a saúde", disse o secretário da Aduc, Primo Mastrantoni.

"[Estes produtos] podem provocar reações, contêm ingredientes desconhecidos ou contaminados. Os sistemas de prevenção e de cura são os conhecidos por todos. Confiar no próprio médico parece um bom conselho", complementou.

No mês passado, o Escritório de Responsabilidade do Governo dos Estados Unidos (GAO, na sigla em inglês) também publicou um relatório ressaltando que o grande número de contágios poderia prejudicar a navegação na internet.

O órgão acredita que, diante de uma pandemia, mais pessoas permanecem em casa e acessam a rede. Estes usuários domésticos podem interferir no tráfego e afetar pessoas que utilizam a web para trabalhar, como os agentes do mercado financeiro.

O vice-ministro italiano da Saúde, Ferruccio Fazio, pediu aos cidadãos que evitem o pânico, uma vez que, segundo ele, o índice de mortalidade no país está baixo se comparado a outras nações europeias, como França (44 óbitos), Reino Unido (137) e Espanha (63).

A última vítima da doença na Itália foi um homem de 37 anos da cidade de Altavilla Silentina, na província de Salerno, região da Campânia. Fazio afirmou ainda que as crianças são mais vulneráveis que os adultos à gripe A.
Ansa Flash.
Fonte Ansa Flash. 19/11/2009 ás 0h

Compartilhe

Itália pede à população que evite "métodos alternativos" de prevenção à gripe A