INT e Mast apresentam casos de biodeterioração de peças históricas

Fonte Ascom do INT 13/04/2013 às 8h
A microbiologia e a bioquímica podem ser essenciais à preservação de acervos históricos. Isso será mostrado na edição de abril do ciclo de palestras Terças Tecnológicas, no dia 16. A atividade no Instituto Nacional de Tecnologia (INT/MCTI), no Rio de Janeiro, traz o tema “Biodeterioração e arqueometria: o caso da Berlinda do Imperador e documentos contendo tintas ferrogálicas”.

 

Na apresentação, a bióloga Márcia Lutterbarch, chefe do Laboratório de Biocorrosão e Biodegradação (LaBio) do INT, e o engenheiro químico Antonio Carlos Augusto da Costa, pesquisador do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast/MCTI), mostram os estudos desenvolvidos pelas duas instituições em parceria com o Museu Imperial na área.

O primeiro caso mostrado será o da preservação da berlinda de aparato – um tipo de carruagem, construída na Inglaterra, em 1837, especialmente para usos solenes do Império – que integrou um projeto de restauração coordenado pelo Museu Imperial, localizado em Petrópolis (RJ), onde está guardada a relíquia. A atuação do INT e do Mast no projeto consistiu no estudo da biodeterioração, incluindo a identificação e o controle da ação de microrganismos em diversas áreas da berlinda, usada por Dom Pedro II em sua coroação, no ano de 1841.

Ao todo foram isolados 37 fungos, seis leveduras e quatro bactérias, identificados por técnicas como a biologia molecular (sequenciamento do DNA). A maioria desses microrganismos pode danificar materiais como madeira, papel, algodão, tecidos e até mesmo metais, além de serem capazes de causar doenças, alergias e intoxicações. O trabalho inclui ainda o controle das condições climáticas da sala de exposição, visando à prevenção do crescimento desses microrganismos.

Tintas ferrogálicas

Muitos documentos históricos guardados em museus e bibliotecas se decompõem aceleradamente pelo uso comum das tintas ferrogálicas, que, por conter ferro, oxidam-se e corroem o papel. Daí, o Laboratório de Conservação e Restauração de Documentos em Papel (Lapel) do Mast propôs o estudo voltado para a restauração e a conservação dos documentos.

O LaBio do INT integrou o projeto realizando a caracterização química dos papéis e da tinta, bem como identificando microrganismos típicos dos ambientes de acervos e sua ação na biodeterioração da celulose. O trabalho culminará com propostas de tratamento contra a degradação.

Leia mais.

 

 

Ascom do INT
Fonte Ascom do INT 13/04/2013 ás 8h

Compartilhe

INT e Mast apresentam casos de biodeterioração de peças históricas